Notícias


ASSEMBLEIA FIM DE TRIÊNIO

Ouvir, meditar, frutificar e celebrar

Nos dias 15 a 17 de junho de 2017 aconteceu a assembleia de avaliação e planejamento do Regional Divina Providência.

Em sintonia com a Igreja do Brasil, que está celebrando o Ano Jubilar, 300 anos de Aparição da imagem de Nossa Senhora Aparecida, trabalhamos as atitudes de Maria de ouvir, meditar e frutificar.

Ouvimos a vida acontecendo no dia a dia, escutamos as diversas experiências de formação e observamos as diversas vivências de missão.

Apreciamos e meditamos aquilo que fomos refletindo sobre nossas vivências, sobre a possibilidade de unificar a Congregação, como isto seria e o Relatório apresentado do Triênio 2014-2017.

Na Celebração Eucarística, presidida pelo Bispo diocesano de Petrolina Dom Manoel Quirino, houve a acolhida do novo Governo Regional, formado pela Irmã Joelma Gomes de Meneses, Superiora Regional, Irmãs Teresa Cristina Duque de Carvalho e  Maria  Fransinette  Ramos, Conselheiras Regionais. Também comemoramos os 90 anos natalícios da Ir. Esperança, Bodas de Diamante da Ir. Mariana Santos e Bodas de Prata da Ir. Joelma Gomes de Meneses.

Olhando para a realidade do Regional, nos colocamos nas mãos amorosas da Providência do Pai, pedindo a ajuda do Espírito Santo e meditamos quais seriam as prioridades para o novo Triênio 2017-2020.

Tudo isso frutificou, ajudando-nos a perceber a realidade além do Regional, considerando a ação de Deus na Congregação e reformulando nossas prioridades como grupo do Nordeste. Também acolhemos as transferências e novas organizações.

Estavam presentes as Irmãs das comunidades: Petrolina-PE, Ibimirim-PE, Sapucarana-PE, Olinda-PE, Ir. Rosilda de Sousa Oliveira da comunidade Intercarmelitana de Caririaçu-CE,  Ir. Ideneide da comunidade Intercongregacional do Haiti e a Ir. Maria  Fransinette Ramos  que acaba  de concluir o curso no Instituto de Formação Humana e Integral de Montreal no Canadá , nossa querida Superiora Geral, Ir. Dazir da Rocha Campos e nossa aspirante Cícera Soares que auxiliou na cozinha e participou dos momentos de Oração. Sentimos falta de nossas Irmãs de Puyo- Equador.

Para quem ficou, após o termino da assembleia, ainda em Petrolina, a festa se prolongou com a participação do São João do núcleo da CRB, onde se apresentaram as crianças do Projeto Vida Nova dançando a quadrilha.

Por tudo damos graças a Deus.

                                                                                                              Ir. Viviana Beatriz                                                                                                                                                                                   


Colégio Carmo de Viçosa celebra 100 anos de história

 

O dia 3 de maio de 2017 foi uma data muito especial para toda a comunidade escolar do Colégio Nossa Senhora do Carmo de Viçosa, ocasião em que a escola completou seu centenário de fundação. As comemorações foram intensas e repletas de festividades durante toda a semana.

Na manhã do dia 03, o Padre Sérgio José da Silvacelebrou uma missa nas dependências do Colégio, com a participação dos estudantes do ensino médio e do ensino fundamental II, além dos pais e dos educadores. Na parte da tarde, foram os pais e alunos do ensino fundamental I que participaram da celebração, presidida pelo Padre Geraldo Felício da Trindade. As crianças da Educação Infantil realizaram homenagens à Maria, em mais uma celebração especial desta data.

Também foi realizado o descerramento de uma placa comemorativa dos 100 anos da escola. A cerimônia foi realizada pela Diretora Presidente, Irmã Sônia Maria Estevam, e pela Diretora Administrativa, Marina de Oliveira Magalhães, contando, ainda, com a presença dos alunos do ensino médio.

A festividade principal ocorreu na tarde do dia 06, com uma Celebração Eucarística, presidida pelo Arcebispo da Arquidiocese de Mariana,o Excelentíssimo Reverendíssimo,Dom Geraldo Lyrio Rocha e concelebrada pelos Reverendíssimos Cônego Lauro Sérgio Versiani Barbosa, Padre Paulo Dionê Quintão, Padre Geraldo Felício da Trindade, Padre Paulo Vicente Ribeiro Nobre e Diácono Lucas Germano de Azevedo.Na ocasião, também estiveram presentespais, estudantes, educadores, ex-alunos, ex-educadores do colégio e muitas representantes da Congregação das Irmãs Carmelitas da Divina Providência, vindas de Barbacena, Belo Horizonte, Cataguases, Juiz de Fora, Rio de Janeiro, São João Del Rei e Teresópolis.

Fundado no ano de 1917, quando as Irmãs Carmelitas da Divina Providência chegaram a Viçosa para dedicar-se à Educação, o Colégio Nossa Senhora do Carmo vem desde então cumprindo com sua missão de formar mentes e corações para a vivência dos valores humano-cristãos, com liberdade e responsabilidade.


Uma manhã de Retiro

Na manhã do dia 18/06 domingo, os catequizandos da Primeira Eucaristia, da Paróquia Nossa Senhora do Rosário e São Sebastião fizeram o seu Retiro, aqui na Obra Social São José, de Marimbá/Betim. O Retiro foi preparado pelas catequistas que acompanharam a caminhada formativa das crianças.

Iniciaram este momento com um lanche trazido pelas crianças e catequistas. A seguir Irmã Liza, convidada pelos responsáveis, fez a abertura falando sobre Nossa Senhora. Após este momento seguiram para o jardim onde, através de uma dinâmica, eles recordaram todo conteúdo dado durante o tempo de preparação. Retornando ao galpão uma das catequista refletiu com eles sobre a Eucaristia. Em seguida fizeram um momento de oração silenciosa e de louvor. Ao término deste momento eles caminharam para a capela; Padre Adilson os aguardava para fechar este momento na presença de Jesus Eucarístico.

Com esta manhã orante e frutuosa as crianças aguardam o próximo domingo, dia inesquecível para elas, pois receberão pela primeira vez Jesus, o Pão Vivo descido do céu.

                                                                                             

                                                                                                       Obra Social São José

                                                                                                      Marimbá - Betim


Em meio à dor, tecer relações humanas.

No campo de refugiados, tenho vivido uma experiência de profundidade tal que, devido as circunstâncias e lugar, requer um olhar contemplativo e sensível para ver além do que é imediato. Neste espaço onde o sofrimento é presente de modo muito palpável e inigualável, tecer laços humanos de gratuidade, de acolhida, de atenção e de amor me desafia cotidianamente.

·         Duas meninas de 11 e de 10 anos querem ter comigo aulas de português. Eu as acolho com um grande abraço e faço festa quando as vejo. Elas se sentem acolhidas e amadas.

·         O menino mudo que fala através do sorriso e olhos expressivos, se agarra em mim e sente-se protegido, desde o dia em que o livrei do grupo de outros meninos que riam de sua mudez.

·         O jovem amigo que fica reconhecido por receber uma camisa e a coloca contente para andar comigo de uma ponta à outra do campo à procura de outros pobres.

·         A jovem senhora que tem a perna comprometida por uma grande ferida devido aos golpes recebidos dos rebeldes e que tenta expressar a sua dor por gritos e lagrimas, mas se acalma quando lhe estendo a mão e se sente compreendida.

·         A mulher grávida que prepara um novo ser, ao notar o interesse que tenho em saber como ela está e em que posso lhe  ajudar, para mostrar-me sua gratidão,  quer dar o meu nome ao bebê que virá.

Todas essas expressões de confiança e gratidão fazem com que o tempo doado ao povo refugiado se torne fecundo e abençoado. Além das dores, colho também  pétalas de amizade e teço redes de belas relações. Isto faz descobrir o sopro de Deus que passa também por este lugar.

Ir.  Mellina Clemente Botelho. 


Estudantes do Colégio Carmo de Viçosa participaram da plenária interestadual do Projeto Parlamento Jovem

Aconteceu na tarde do dia 1º de junho, quinta-feira, no auditório do Centro Tecnológico de Desenvolvimento Regional de Viçosa (CenTev/UFV), a plenária interestadual do Projeto Parlamento Jovem. A reunião teve como objetivo desenvolver, com a participação dos estudantes de Viçosa e da região, palestras relacionadas com o tema do Projeto deste ano: “Educação Política nas Escolas”. Participaram do evento cerca de 100 estudantes de Viçosa, Paula Cândido, Ponte Nova, Nossa Senhora dos Remédios, Ubá e Visconde do Rio Branco.

Em 2017, o Parlamento Jovem de Minas está em sua 14ª edição, sendo um projeto de formação política destinado aos estudantes dos ensinos médio e superior dos municípios mineiros, que cria para os jovens uma oportunidade de conhecer melhor a política e os instrumentos de participação no Poder Legislativo Municipal e Estadual.

Os objetivos do Projeto são: estimular a formação política e cidadã de estudantes; incentivar o envolvimento das câmaras municipais em atividades de educação para a cidadania; propiciar espaço para vivência em situações de estudos e pesquisas, debates, negociações e escolhas, respeitando-se as diferentes opiniões; levar os jovens a se interessarem pela agenda sociopolítica de seu município e pelo exercício da participação democrática na discussão e decisão de questões relevantes para a comunidade.


V Encontro de Assistência Social
Nos dias 26, 27 e 28 de maio, em Saquarema/RJ, foi realizado o V Encontro de Assistência Social aprofundando o assunto: Família X Instituição.
 
A Instituição do Centro Social Madre Maria das Neves recebeu a todos com muita alegria e atenção. A primeira troca de conhecimentos ocorreu com o direcionamento da Professora Márcia Lúcia de Moraes Carvalho que abordou o tema: Relação Família X Instituição: Os vários tipos de família tendo como foco principal a criança. De uma forma clara e objetiva ficou constatado que o gênero família mudou e com isso a grande necessidade de orientar, questionar e ouvir se faz ainda mais necessário. Refletir sobre os modelos de família é necessário até mesmo para assessorar as crianças, pois quando se conhece a vivência de cada um delas de fato pode – se ajudar. Houve uma troca de conhecimento muito positiva, pois é importante enfatizar que a família deve ser valorizada e trazê-la cada dia mais para perto das Instituições. 
 
Dando continuidade, no segundo dia foi abordado o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil pelas Assistentes Sociais, orientando e esclarecendo dúvidas pertinentes. Finalizando a noite houve a participação do Coral das crianças e a Coroação de Nossa Senhora do Carmo com a participação das crianças assistidas pela Instituição Centro Social Madre Maria das Neves e representantes das seguintes Instituições: Centro Social São José – Teresópolis/RJ, Projeto de Vida Nova de Petrolina, Educandário “Dom Silvério” – Cataguases /MG, Obra Social São José – Marimbá/Betim – MG, Instituto Onda Gomes – Barbacena/MG.
A psicóloga e psicopedagoga Denise Lima Alves veio agregar ainda mais conhecimentos a todos. Enfatizando um olhar diferenciado que se deve ter com todos, falando dos limites, autoridade e autoritarismo, transtornos e agressividade e a importância de ter a família em companhia da Instituição. Uma linda reflexão foi realizada baseada em sua fala e no texto “A Flor”, onde a atenção e o cuidado são a base para a vida de muitas pessoas.
 
A partilha das Entidades foi um momento magnífico, no qual aprendemos muito com todos os trabalhos e projetos apresentados. A noite foi realizada uma gincana onde os educadores sociais se uniram as Irmãs e se pode partilhar bons e lindos sorrisos.
 
E ficamos com uma linda mensagem do Papa Francisco para reflexão  “Ter um lugar pra ir é lar. Ter alguém para amar é família. Ter os dois é uma benção”.
 
Assim encerramos o V Encontro de Assistência Social com os corações entusiasmados para assumir com mais ardor a missão que nos foi confiada.
 
Fraternalmente, 
 
Daiana Fontoura, Educadora do Educandário “Dom Silvério” de Cataguases/MG
 

CONGRESSO DA VIDA RELIGIOSA CONSAGRADA NO NORDESTE
Nos dias 05 a 07/05/2017, na cidade de Caucaia – CE,  realizou-se o primeiro Congresso da Vida Religiosa Nordestina. Com o tema geral: “ Vida Religiosa Consagrada no Nordeste, convocada a intensificar a cultura do Encontro”. Com esta temática este momento foi esperado com muitas expectativas de alegrias e prazer de nos encontrarmos e juntos partilhamos a nossa missão em terras nordestinas. Não demorou muito para vivenciarmos esta experiência pois ao chegarmos o clima foi de muito acolhimento e reencontros com as Irmãs e Irmãos que há tanto tempo não nos encontrávamos.
 
Quanto aos temas trabalhados tivemos a graça de termos conosco o Irmão Raimundo (Jesuíta) que trabalhou com a dinâmica da Pedagogia do Encontro, apresentou, como pano de fundo, os discípulos de Emaús, onde Jesus é percebido a partir do momento em que ele se aproxima, caminha e conversa com os discípulos, senta-se com eles e no partir o pão Jesus é reconhecido. Os discípulos que antes estavam tristes e desanimados, se revigoram e reacendem a ESPERANCA. Percebe-se então que o encontro é diferente de proximidade, pois encontrar-se é diferente de aproximar-se. O encontro portanto é esse movimento gerador de Esperança. Os discípulos de Emaús ao encontrar-se  com Jesus,  abriu os olhos,  seus corações ardiam de esperança e saíram para anunciar Jesus Ressuscitado, portanto A ESPERANCA é a mola condutora da dinâmica do encontro. Irmão Raimundo abordou esta temática tanto no nível pessoal, institucional e organizacional, sempre ressaltando a cultura do encontro como relações humanizadoras e, que só é possível acontecer o verdadeiro encontro quando se tem abertura ao outro.
 
Fomos agraciados também pela presença da Irmã Annette Havenne. Ela reforçou que para acontecer a cultura do encontro precisa-se de uma motivação forte, que se chama ESPERANÇA e esta é  muitas vezes vivenciada, através da resiliência, do saber morrer pra depois renascer. Um exemplo muito claro que Ir. Anette lembrou foi o da bananeira que morre a cada cacho de banana que dá, porém os seus brotos são a continuidade desta bananeira que permanece mais viva e revigorada. Isso é a esperança, a âncora da nossa alma.
 
Da nossa Congregação participou deste Congresso um grupo significativo de Irmãs: Geralda Maria da Silva, Maria Eunice P. Vale, Terezinha Xavier, Joelma Gomes de Meneses, Eliane Damasceno, Rosilda de Souza Oliveira  e eu.
 
Irmã Ideneide do Rego

Relações Facilitadoras na Vida Religiosa Consagrada

É impressionante a característica forte de FORMAÇÂO de nossa Arquidiocese de Manaus/AM.
Nas varias dimensões e em todos os níveis de vivência e de atuação pastoral há sempre inúmeros recursos de aprofundamento: encontros, retiros, vivências, cursos, dinâmicas, avaliações, seminários, acompanhamento...       

    
Difícil é conciliar tantos apelos de formação com os compromissos diários de inserção e de vivência comunitária e missionária; é o desafio de todos nós desta Arquidiocese principalmente dos que vivemos em bairros distantes.

 

Hoje no encontro de Religiosos promovido pela CRB Regional tivemos a assessoria de nosso Bispo Auxiliar, Dom Tadeu que nos interpelou como Consagradas/os através de dinâmicas interativas e muita profundidade em suas colocações sobre: “Relações Facilitadoras na Vida Religiosa Consagrada”. Numa parte do tema fomos orientadas/os a identificar nossas atitudes racionais e irracionais na Vida religiosa e ao mesmo tempo a buscar suas raízes na própria formação e na nossa história pessoal e familiar como também suas consequências em nossa vivência comunitária e congregacional. Na avaliação do dia, além de outras partilhas, pudemos constatar o BEM que a reflexão de Dom Tadeu trouxe para os religiosos presentes, para suas comunidades e Congregações.    


Apenas um pequeno grupo (35 Religiosos) pode participar, mas o encontro foi de muita riqueza, fraternidade, alegria, partilha, gratidão.        

Ir. Neuza Paiva  


ROMARIA EM APARECIDA – PROVÍNCIA MADRE BERNADETE
Estava nos planos do Governo Provincial, já a algum tempo oferecer às Irmãs da Província uma viagem a Aparecida do Norte. Irmã Imaculada, nos comunicou e a romaria tão esperada por todas nós, aconteceu nos dias 12 a 14 deste mês de maio.       
Não faltou antecedência para uma boa organização como é o costume da nossa provincial. Vindas das várias cidades chegamos em Juiz de Fora na parte da manhã e já nos esperavam para o almoço as três comunidades: Casa Provincial, Fraternidade M. Margarida e Fraternidade “Carmo”. Foi um gostoso almoço, temperado com acolhimento, carinho, alegria e fraternidade. Às 12h, como o combinado, tomamos nossos lugares no ônibus contratado pela Província, e Ir Imaculada, sempre atenta convidou-nos para a oração da partida, pedindo a bênção de Deus e proteção de Nossa Senhora, a fim de que pudéssemos seguir com tranquilidade para o nosso destino, e foi o que aconteceu.
A viagem transcorreu na alegria e na partilha e chegamos à casa da Mãe Aparecida. Éramos 34 Irmãs. As Irmãs que não puderam ir, nos acompanharam com orações nas comunidades. Ir Dazir, sempre presente em todos os momentos na vida da Congregação, enviou-nos através da Ir Imaculada, uma mensagem de boa viagem, com pedido de orações para todas nós. 
No dia 13, participamos da missa das 9h. O Padre João Batista de Almeida, C. Ss. R., presidente da celebração e Reitor do Santuário, saudou a todos, e de modo especial, a nós, Irmãs Carmelitas pela presença. Em sua homilia, além do Evangelho, ele destacou o Centenário de Fátima, quando os videntes Francisco e Jacinta foram canonizados pelo Papa Francisco, em celebração acontecida em Fátima, Portugal, naquela manhã. Falou sobre a situação do Brasil e o que poderá acontecer com a reforma previdenciária. Lembrou-nos também a abolição dos escravos que, na verdade, ainda não aconteceu, em face às grandes dificuldades pelas quais passam os pobres, principalmente.
Nnossas Irmãs que exercem o ministério da Eucaristia, foram convidadas para a distribuição da Comunhão. Os nossos corações pulsavam de maneira diferente pela emoção pelo encantamento de tanta beleza, harmonia, silêncio, liturgia bem preparada como é de costume e uma grande multidão que, com tanta fé, estava ali rezando, participando e dando graças.
 
Terminada a celebração, após o almoço, ficamos livres para visitas, compras de algumas lembrancinhas, o que fizemos sempre em grupos. Tivemos nesta tarde, um bom tempo para rezar e tenho a certeza de que pedimos muito pela Congregação. 
No dia 14, fomos cedo para o Santuário afim de participarmos da celebração eucarística às 8h. Lá nos misturamos ao grande número de pessoas vindas em romaria. O presidente da celebração foi o Arcebispo de Aparecida, D. Orlando que nos deixou como mensagem de sua homilia, o Evangelho do dia. “Não se perturbe o vosso coração. Tendes fé em Deus, tendes fé em mim também” disse Jesus. “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”. 
Sendo o dia das Mães, elas não ficaram esquecidas, destacando as mais sofridas, por vários motivos. 
Após a missa, iniciamos a viagem de volta. Em profunda gratidão pela experiência vivida. 
A Mãe Aparecida nos faça cada vez mais próximas de seu Filho Jesus!
 
Irmã Maria Auxiliadora Fernandes

Pré-Congresso Eucarístico na Paróquia

Nos dias 13 e 14 de maio aconteceu em nossa Paróquia São José de Nazaré, o pré-Congresso Eucarístico Paroquial preparando-nos para o Congresso Eucarístico Nacional. Foi uma verdadeira beleza! No início de maio vínhamos preparando os diferentes grupos com as catequeses eucarísticas e nesse final de semana o encerramento dessa formação foi com o pré-Congresso.

 

No sábado, pela manhã, estive na comunidade Nossa Senhora do Rosário e lá tivemos uma catequese sobre Maria Santíssima e a Eucaristia, à tarde na comunidade dos Trilhos, animei a adoração ao Santíssimo com as crianças da catequese. Enquanto que os outros catequistas animavam a adoração nas outras comunidades. Testemunhar o entusiasmo e devoção das crianças diante do Senhor Sacramento nos fez vibrar de alegria e satisfação.

 

No domingo, pela manhã, alguns outros grupos tiveram a catequese eucarística e à tarde encerramos com uma bela procissão de Corpus Christ, que saiu da capela Nossa Senhora do Rosário em direção à Escola Dom Bosco, com a participação de todas comunidades da Paróquia, na quadra da escola reunimo-nos para a adoração.  Momento de fé e de louvor muito bem animado pela equipe de liturgia. Foi realmente emocionante ver o número de fieis e a adesão do povo à proposta do nosso Pároco. Tudo o que posso dizer é que realmente ¨Cuiou¨ (excelente no dizer angolano).

Que nosso Deus continue a abençoar este solo angolano!

 

Ir. Mellina - Luanda/Angola


II Jornada Vocacional

II Jornada Vocacional

 

Aconteceu no dia 07 de maio p.p, em unidade com o Ano da Vocação Sacerdotal, (vivido na Arquidiocese de Mariana), a II Jornada Vocacional  Arquidiocesana com o tema "Eis-me aqui, envia-me" em consonância com o dia do Bom Pastor celebrado, no IV domingo da Páscoa e dia em que a Igreja dedica e  intensifica as orações pelas vocações Sacerdotais, Religiosas e Missionárias. O evento foi organizado pela Equipe Arquidiocesana do SAV (Serviço de Animação Vocacional) e realizou-se na cidade de Mariana, Minas Gerais.

Marcaram presença significativa os jovens de todas as regiões da nossa Arquidiocese.

Na parte da manhã tivemos um momento de oração e de louvores com músicas. Tivemos também um teatro mostrando como somos chamados por Deus e também de que qualquer um pode ser o escolhido de Deus. Esse teatro relatou duas experiências de dois jovens que foram chamados um para ser Padre e a outra jovem para ser Religiosa.

Na parte da tarde após o almoço aconteceram as oficinas, onde os jovens ainda puderam refletir sobre as vocações religiosa, familiar, sacerdotal e oureas.

Durante todo o dia tiveram tendas vocacionais de várias Congregações femininas e masculinas, dentre elas a nossa Congregação das Irmãs Carmelitas da Divina Providência apresentada pelas Irmãs Luciana Flávia, Lucenir Fernandes e pela vocacionada Karina Guimarães. Nestas tendas foram explicados resumidamente um pouco dos Carismas e também orientação aos jovens em relação a sua vocação.

A II Jornada Vocacional foi encerrada com a ordenação diaconal do acólito Leandro Marcos da Rocha, a qual foi presidida por Dom Geraldo Lyrio Rocha, Arcebispo da Arquidiocese de Mariana e com a participação de vários  Padres, Religiosos e Religiosas e  Seminaristas dessa Arquidiocese.

Esse evento foi uma oportunidade para que os jovens buscassem discernir a sua vocação, além de ter sido um momento de fraternidade, oração, alegria e doação.

Damos graças a Deus por esse momento e pedimos a Deus que ilumine a cada jovem que ali estive presente em seu processo de discernimento vocacional.

Karina Guimarães da Silva (Vocacionada CDP)


Carmo Viçosa: 100 Anos de educação para a vida

O Carmo entrou na minha vida de “supetão”, sem preparo, sem aviso. Menina pobre, cruzando com outras, numa Escola capaz de abrigar juventude rica, vivaz e diferente… esnobe até…

De chinelo de barbante, vestido de “chita”, sem ambições… lá vem a novidade:

– Quer que a menina venha estudar no Carmo?

– Sem uniforme… calçado?

– Manda a menina pro colégio, com o que tiver de vestir e o que calçar.

Assim iniciou a lenda que transformou a que hoje tem “apenas” 96 anos, é mãe de: 6 adultos formados, nos mais variados títulos universitários, 14 netos também vários doutores e 7 bisnetinhos, sendo que 4 destes bisnetinhos enfeitam o maternal do colégio que foi a glória maior que a matrona parabeniza agora os seus 100 anos de trabalho, luta, conquistas e vitórias. Nome para ser exibido como glória vencedora das carmelitas.

– Cadê Madre Santa Face?

– Subiu pro céu.

– Cadê Madre Glória?

– Tá aplaudindo lá do céu o crescimento da sementinha que plantaram.

Há 100 anos, nesta Viçosa Cidade que só sabe dar valor a quem merece; sabe dar mão a quem precisa e merece subir; sabe ser a passarela para desfile de grandes  nomes.

Hoje 100 anos? Jovens crescem no ensino da vida com exemplos base que o Carmo oferece. É de assustar: cada dia cresce mais, inova, progride no visual, no intelectual, na moral e… crescendo… crescendo… crescendo fico daqui com as mãos aplaudindo, à distância o colégio que me deu gratuidade para estudar, aprender, viver e ensinar. Sim, a menina pobre virou professora dentro dessas inúmeras paredes, desses estágios mais avançados e… e dizer verdade: só merece que se curve ao seu valor, ao seu nome ilustre, à grandeza do seu ensino, à normalidade de espaços inovadores para crescer e ser o meu pedacinho de chão e… saudade!

Nestes áureos tempos que chegou o Belo Colégio, acalentado pelas santas e doces freiras, belas e promissoras mestras, corpo discente amigo… estou aqui pertinho, estendendo minhas mãos trêmulas ao colégio que me carregou no colo, numa infância/juventude… meio rebelde, rogando a Deus que cubra de bênçãos esse colégio e a vitoriosa e Santa Congregação Carmelita.

Parabéns!

Cirene Ferreira Alves
Ex-aluna do Colégio Nossa Senhora do Carmo


Missão em Angola
A vida aqui em Angola é muito intensa, embora eu tenha pouco tempo de missão, sinto como se já estivesse aqui há 1 ano por isso é um pouco difícil selecionar o que escrever para vocês. São tantas coisas a partilhar! Vou tentar fazê-lo em pequenos tópicos:
 
1. Visita a Cassoalala
No passeio comunitário fomos a Cassoalala e visitamos as Irmãs de Jesus na Eucaristia, lá estão Ir. Aurora Côgo, Ir. Marisa Teresinha e Silva e Ir. Marisé. Elas formam uma bela comunidade com as 11 vocacionadas angolanas que com elas moram, sendo 07 aspirantes e 04 postulantes. 
Passamos o dia com elas, num convívio gostoso, partilhando o almoço e as experiências da vida missionária. Ir. Aurora iniciou a sua caminhada em Angola, morando com as Sacramentinas de Nossa Senhora chegando por aqui em 24 de dezembro de 2010, esteve com elas por mais ou menos 04 anos e fundando logo em seguida a comunidade em Cassoalala.
 
2. Congresso Eucarístico Nacional
Preparamo-nos para viver o primeiro Congresso Eucarístico em Angola, recordando os 525 anos dos primeiros batismos; os 150 anos da segunda Evangelização em Angola e os 75 anos da arquidiocese de Luanda.
Essa preparação está sendo feita através do estudo de catequeses eucarísticas que tratam dos principais assuntos relacionados à Eucaristia. Esse estudo tem em vista os pré-congressos paroquial e forâneo em maio e ainda o pré-congresso diocesano em junho, rumo ao grande Congresso Nacional nos dias 12 a 18 de junho.
 
3. Festa da Páscoa e Ressurreição do Senhor
O angolano é um povo sofrido, mas é, também, um povo que reza e, durante toda a quaresma a via sacra nas sextas-feiras foram feitas percorrendo as ruas sob o sol e o calor das 15:00 horas. Com este mesmo ardor espiritual, os diversos grupos e movimentos das comunidades da Paróquia fizeram a vigília da quinta-feira santa, durante toda a noite, animando com súplicas e louvores das 20:00 horas às 06:00 horas da sexta-feira santa. Embora houvesse o revezamento dos grupos, a maioria das pessoas ficou toda a noite, particularmente os jovens que deram um belo testemunho de fé.
Na vigília pascal tivemos o batismo de 05 catecúmenos e foi lindo ver como estavam felizes por receberem os sacramentos iniciais. Uma desses catecúmenos chama-se Maria da Conceição Júlio que carregava consigo o peso da tradição (guardava em sua casa os instrumentos da feitiçaria deixados sob sua custódia), ela não podia livra-se deles porque segundo a tradição quem se desfaz de tais instrumentos atrai a desgraça para a família e ela embora participasse da missa não recebia a Eucaristia conforme tanto desejava. Com um trabalho de evangelização e conscientização, Ir Eva e outras lideranças da comunidade ajudaram-na a livrar-se desse mito e assim ela entregou esse material do feitiço ao padre para ser queimado, desfazendo-se de tal peso e aproximando-se da mesa do Senhor.
 
4. Festa de São José Operário, nosso padroeiro.
Foi com grande solenidade e beleza que celebramos a festa da nossa paróquia São José de Nazaré no dia 30 de abril, vésperas da comemoração de São José Operário. Em missa  única, todas as comunidades estavam presentes na quadra da Escola Dom Bosco onde celebramos a Eucaristia às 07:30 horas. Na homilia o padre William Lima, SDB, ressaltou o título de São José como homem justo, qualidade reconhecida em apenas três presonagens bíblicos: Abraão, Jesus e  São José. Fazendo uma ligação com o terceiro domingo da Páscoa, o padre usou a simbologia do caminho.  Jesus se fez presente junto aos discípulos de Emaús no caminho para a aldeia, atitude esta certamente aprendida de José que era presença protetora e carinhosa junto a Maria e Jesus nos vários caminhos percorridos na história da Sagrada Família. Essa atitude de presença, Jesus também deve ter aprendido do Pai Celeste porque no caminho da vida, aconteça o que acontecer, Deus está sempre conosco. 
 
Isso é um pouco de tudo o que tenho vivido e que queria partilhar com vocês. À todas os meus votos de Feliz Páscoa na força do Espírito Santo.
 
Meu grande abraço.
Ir. Mellina Clemente Botelho. 

Suicídio Juvenil - jogo da baleia azul
Estamos recomendando a leitura do artigo de Carlos Eduardo Cardozo, especialista em juventude, que trata do sério problema que está preocupando pais e educadores: o suicídio de jovens.
 
 
“A questão do suicídio, especialmente, entre os jovens é urgente e inadiável. Jovens no mundo inteiro estão tirando a sua própria vida. É um problema que vem rompendo o silêncio com a emergência do jogo da ´baleia azul’ nas redes sociais e da série ’13 Reansons why’. O jogo e a série de TV não é o problema: é apenas uma parte ínfima, quase desprezível, do problema.” 
 

UMA EXPERIÊNCIA GRATIFICANTE

O Centro Social Madre Maria das Neves, há anos, tem uma parceria com a Prefeitura de Saquarema antes, através de repasse de verba, que era usada para pagar as monitoras; agora, a própria Prefeitura oferece as monitoras necessárias. Este ano, com as mudanças de administração, não foi possível termos as monitoras escaladas para as Obras conveniadas do Município no início das voltas às aulas.

             O inicio das aulas foi no dia 06 de fevereiro, e sem as monitoras não seria possível recebermos as crianças. Depois de refletirmos nos prejuízos que teriam as crianças se não viessem para o Centro Social, pois não vindo para cá não iriam também para a Escola. Decidimos acolher as crianças e para isso solicitamos voluntários que pudessem nos ajudar.

             Foi uma experiência muito bonita. Eram mais ou menos doze voluntários que durante três semanas não mediram esforços para que as crianças fossem assistidas. Dividimos as crianças por idades e formamos quatro grupos; que através de atividades bastante variadas e interessantes como: parquinho, campinho, recreação dirigida na área, vídeo, narração de histórias e praia, pudemos acolher as crianças e permitir que elas iniciassem o ano escolar sem prejuízos na frequência.

             Este tempo ainda não foi suficiente, pois as Monitoras não apareceram. Procurando a Prefeita fomos informadas de que só no final de março é que teríamos as Monitoras. Decidimos por já organizarmos as turmas por séries e nas salas de aula por turmas. Para isso, contamos com três professoras que aceitaram assumir as turmas até o dia em que fosse necessário; sendo remuneradas pelo Centro Social, conforme salário da Prefeitura. E assim foi até o dia 23 de março. Ai, que alívio! Tudo foi muito bom. As crianças tiveram um inicio de ano diferente, cresceu o nosso relacionamento com as pessoas que se dispõem a nos ajudar. Agora estamos com cinco monitoras, uma auxiliar de secretaria e um ajudante de disciplina. Ainda não está tudo bom, precisamos de alguns reajustes, temos gente aqui  que não tem o perfil  para a atividade que está exercendo. Mas, estamos atentas para refletir com a Prefeitura sobre possíveis mudanças.

            Vemos nestes pequenos e novos acontecimentos a ação de Deus que nos convida a acreditar que a dificuldade na nossa caminhada é um dom que nasce da experiência de sermos amadas por Deus, que sempre nos acompanha e não nos abandona.

 

Ir.Zélia Salgado


VÊ SENHOR, AQUI ESTOU...!

No próximo mês de maio faz um ano que chegamos nesta Área Missionária João Paulo II na periferia de Manaus.

Diferente do que acontece em outras situações da vida, em que, no principio, tudo é fácil e depois os obstáculos vão aparecendo, aqui os desafios foram gritantes desde o inicio mostrando a crua realidade de periferia com todas suas características de violência, roubo, vícios, sem saneamento básico etc. É uma população itinerante vinda dos recantos do Norte e Nordeste do Brasil e por outro lado uma parte nativa fiel a suas raízes culturais, religiosas, familiares; um clima quente e hostil para a saúde por sua umidade, uma Igreja viva, mas titubeante nas estratégias pastorais por causa da diversidade e pluralidade das culturas.

E nós, três Irmãs com diferentes idades já bem maduras pelas muitas décadas vividas com diferentes matizes de formação acadêmica, profissional, familiar e de estrutura mental e emocional, com experiências, sonhos e expectativas diferentes! O chamado de Deus é insistente, pessoal, direto, incisivo, sem volta: “Eu te chamei pelo nome: és minha”! E nossa resposta diária como filha e discípula: Vê Senhor, aqui estou! Neste tempo pascal, nos questiona, desconcerta e desafia a proposta de Jesus Ressuscitado aos que o seguem, mas ainda vacilam: “põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado. E não seja incrédulo, mas fiel”.

Graças aos muitos recursos de formação e de aprofundamento, graças à nossa vida fraterna na oração e na missão, graças ao apoio e estímulo de nossas Superioras e Irmãs, graças á convivência com o povo simples e sofrido de nossas comunidades, graças á Eucaristia e à Palavra rezada e celebrada diariamente, nós Irmãs temos compreendido e vamos assimilando passo a passo este mistério da Paixão e Morte de Jesus que se prolonga na nossa vida e na vida de nossos irmãos. Estamos nos inserindo e pondo nossa mão nas chagas de Jesus hoje e assim tentamos glorificar nossas próprias chagas e nos tornarmos ressuscitadas e RESSUSCITANTES!

Para compreender nossa vida missionária nestas terras amazônicas, o único meio é VIR, VER e FICAR, ainda que por um tempo, para experimentar quão misericordioso e terno é Jesus para com aqueles que o seguem e se dispõem a gastar suas vidas por seu Reino de justiça, de Paz, de COMUNHÃO!

Todos os dias, temos a oportunidade de exclamar como São Tomé: Meu Senhor e meu Deus!

 

Ir.Neuza Paiva


ASSEMBLEIA PAROQUIAL - Itaituba/PA

Nos dias 21 a 23 de abril 2017, realizamos a Assembleia Paroquial de Santana. Começamos com o café da manhã e em seguida, a oração de abertura. O pároco Frei Manuel Lima da Silva OFM dirigiu-nos palavras de acolhida e realçou a importância do evento, desde já agradecendo pelo empenho e participação dos representantes das comunidades ali presentes.

O método, Ver- Julgar- Agir e Celebrar, foi usado pra orientar nossos trabalhos na Assembleia.

O momento do VER a realidade das nossas comunidades foi feito por Frei Romualdo OC. Esse momento foi Iluminado por: Diretrizes da CNBB, explanação feita pelo Frei Manoel, OFM; pelo documento Comunidade de Comunidades, explanação feita pela Ir. Nelza CDP; pelo Plano de Pastoral da Prelazia de Itaituba, explanação feita por Frei Romualdo. Em síntese foi o lançar um olhar aprofundado sobre a realidade de cada comunidade que compõe a paróquia.  

O JULGAR  avaliou os elementos que foram levantados no primeiro passo, sempre no intuito de melhorar;

NO AGIR - fizemos a pergunta: o que queremos para a nossa paróquia até o final do ano? Planejamos, fizemos o calendário das atividades. As propostas surgiram a partir da constatação da realidade.

CELEBRAR tudo o que foi vivenciado nesse dia.

A Assembleia foi marcada pelos momentos de formação, planejamento e projeção da missão da Paróquia: “Avaliar e projetar a caminhada da Paróquia Santana é um desafio e ao mesmo tempo um momento forte de graça, onde tivemos a possibilidade de olhar para a caminhada e apontar novos caminhos”.

A assembleia foi marcada pela convivência fraterna e alegre, pela entreajuda corresponsável na participação, sobretudo pela maturidade nas reflexões dos participantes.

Frei Manoel encerrou a assembleia desejando a todos os participantes um bom dia de trabalho e crescimento, pedindo ao Espírito Santo que fizesse brotar em todos nós o espírito de pertença a Igreja, com um só coração e uma só alma.

Nós, as Irmãs, fizemos parte na equipe de preparação e organização. Confiamos que o Espírito do nosso Deus está nos acompanhando e conduzindo nesta missão.

 

Ir. Nelza Rodrigues


UM RAIO DE ESPERANÇA...

Fechar uma comunidade, uma obra é um dos momentos mais difíceis na vida de uma pessoa. Não se trata de apego a lugar ou mesmo à obra, seja ela qual for. Vila Isabel, ficou fechada durante quatro anos, porém, uma luz no final do túnel apareceu, num momento significativo da nossa história como Igreja e Província, e um dos passos dados neste triênio, foi a reabertura da Comunidade de Vila Isabel.

Com a reabertura, novos parceiros foram chegando. Parceiros que vivem à sombra da história, esquecidos pela sociedade e desamparados pelas autoridades.

Somos convocadas  cada dia para:” como Igreja, sair para ir às periferias geográficas, URBANAS E EXISTENCIAIS – as do mistério do pecado, da dor, das injustiças, da miséria, aos lugares recônditos da alma, onde cada pessoa experimenta a alegria e o sofrimento do viver.”(Papa Francisco)

É isto que está acontecendo em Vila Isabel, um “Condomínio”, onde várias pessoas e entidades utilizam nosso espaço, antes desocupado, para buscar um pouco mais de dignidade e oportunidade para o resgate da cidadania.

No dia 15 de fevereiro começou a funcionar a ONG: ASM, que trabalha com crianças e adolescentes de 07 a 17 anos de idade, formando-os através da música. E no dia 15 de abril teve início o “BAZAR DU BOM”. Um grupo de mulheres que angariam doações de qualquer espécie e vendem para os moradores da Comunidade do Morro dos Macacos, assim, conseguem complementar a renda familiar.

É a vida circulando naquele espaço que ficou vazio por tanto tempo. É gratificante, ver a chegada das crianças, as aulas de música e a correria daqueles que antes, só viam a escola por fora. Muitos nos contam que o sonho era estudar neste Colégio e que conseguiram.

O Bazar é desafiador para aquelas mulheres e, fico a pensar a cada dia que converso com elas, quão grande o sofrimento destas mulheres e homens, que buscam honestamente um sustento para suas famílias.

Aos poucos vamos colocando as coisas no lugar, consertando uma coisinha ali, conhecendo novas pessoas, ouvindo muitas histórias sofridas e escrevendo uma NOVA PÁGINA DA HISTÓRIA para este lugar tão significativo para tantas Irmãs que por aqui passaram.

Agradecemos ao Governo Geral pela reabertura do espaço e das Irmãs que, comigo, assumiram mais este desafio, pois, é desafiador trabalhar com grupos tão diferentes, mas que buscam a mesma coisa: SOBREVIVER.

 

Ir.Maria de Fatima


Textos de Tradição Oral

Nas aulas de Língua Portuguesa, os alunos do Segundo Ano do Ensino Fundamental I - Carmo de Juiz de Fora - estão trabalhando com textos de tradição oral do folclore brasileiro. Juntos, eles estão descobrindo que existem muitas formas de se divertir com as palavras, como, por exemplo, através de parlendas, de adivinhas, de cantigas de roda, de versinhos, de trava-línguas...

Dentro desse contexto, considerando que a ludicidade proporciona prazer e interação entre as pessoas, julgamos importante resgatar jogos orais e brincadeiras antigas com as crianças, o que ocorreu nas últimas aulas de Educação Física, com o professor Hugo.

 

Comentários dos alunos da Turma A

 

 Pular corda é a minha brincadeira favorita! Achei engraçado brincar das coisas que nossos pais brincavam! – Flora

“Corre, cutia” é uma brincadeira legal, mas pular corda é mais legal ainda! Eu fui o único da minha turma que consegui pular até o fogo na música “Salada, saladinha!” – Davi

Essas brincadeiras são muito legais! Quando eu viajo para Faria Lemos, para casa da minha bisá, eu brinco muito! – Henrique

Eu achei muito difícil pular corda, mas também é muito divertido! – Antônio

 

Comentários dos alunos da Turma B

 

Foi muito bom participar da brincadeira de Jokenpô com meus amigos na aula de Educação Física. Brincamos também de corre-cotia, e eu corri bastante. Adorei participar das brincadeiras. – João Victor

 

Na aula de Educação Física, aprendemos várias brincadeiras com o tio Hugo. Gostei muito de brincar de corre-cotia. Foi muito legal e divertido. – Antônia

 

Participei da aula de Educação Física brincando de Jokenpô. Não brinquei de corre-cotia, porque estou com o braço quebrado. Gosto muito das brincadeiras na aula de Educação Física porque a gente se diverte muito. – Theo

 

Na aula de Educação Física, a gente brincou de corre-cotia e de Jokenpô. Foram muito legais as brincadeiras. Eu amei os jogos. – Maria Luíza Esteves

 

Na aula de Educação Física, participei das brincadeiras de corre-cotia e de Jokenpô. Eu queria brincar mais, porque foi muito divertido. Não queria que acabasse a aula. – Valentine

 

Na aula de Educação Física, a gente brincou de Jokenpô e de corre-cotia. Foi muito legal. Eu fiquei muito feliz com as brincadeiras – Artur Daibert

 

 

Comentários dos alunos da Turma C

 

Foi muito divertido participar da aula de Educação Física. Eu gostei tanto que, quando cheguei em casa, não conseguia parar de cantar as músicas que aprendi. – Eduarda

 

Eu amei as brincadeiras! Foi muito legal aprender brincando. – Maria Clara

 

Eu gostei muito da aula de Educação Física! Nós brincamos de Adoleta, Corre-Cutia e pular corda. A brincadeira de que eu mais gostei foi pular corda. Eu aprendi a pular corda no Segundo Período. Acho um pouco difícil, mas é muito legal!” – Pilar

 

Aprendemos, na aula de Educação Física, algumas brincadeiras que estavam no livro de Português. Queria viver isso de novo, porque foi muito legal! - Maria Eduarda Galloletti

 

 

 


INAUGURAÇÃO DA QUADRA DE ESPORTES DO PROJETO VIDA NOVA

Neste dia 25 de março, foi inaugurado mais um espaço no Projeto Vida Nova em Petrolina, uma quadra de esporte, que vem somar as possibilidades de atendimento as crianças e adolescentes que são assistidos, através da missão que realizamos como Congregação das Irmãs Carmelitas da Divina Providência, aqui no Nordeste.

 

A quadra vinha sendo sonhada e esperada por nós, irmãs, e mais ainda, pelas crianças e adolescentes que frequentam o Projeto, visto que o espaço anteriormente usado, já vinha se tornando ocioso, pela alta temperatura e sol escaldante que tem sido constante nesta região.

 

Na tarde deste sábado, o sonho se tornou realidade e as crianças puderam pisar e até sentir o gosto de uma breve partida de futsal, handebol e basquete, além de alguns passos de capoeira, tudo para começar a suprir as expectativas que são variadas. Irmã Meiriane, representando todas as irmãs Carmelitas, abriu o portão da quadra e disse da sua alegria em oferecer mais este espaço significativo para o crescimento e desenvolvimento de nossas crianças e adolescentes.

 

Junto com as crianças, adolescentes, seus pais, amigos, colaboradores, voluntários, construtores e Irmãs, agradecemos a Deus a possibilidade que Ele nós deu de partilhar com o outro, os frutos dos trabalhos de nossas irmãs. Assim como pedimos a benção de Deus para o novo espaço, através de uma bonita e motivada celebração, realizada pelo nosso pároco, Maurilio.

 

Restando somente a nossa gratidão a Congregação que não mediu esforços para tornar realidade, o que ora apresentamos.

 

Ir. Meiriane


No mundo das fábulas

Os alunos do Quarto Ano iniciaram o bimestre trabalhando com o gênero textual fábula.

Aprenderam que a fábula está intimamente ligada à sabedoria popular e que possui caráter universal, uma vez que aborda características, vícios e virtudes humanas, justificados ou condenados de acordo com os preceitos de cada sociedade.

Após conhecerem diversas fábulas, refletiram e analisaram os ensinamentos transmitidos por cada uma delas e, assim, puderam construir o próprio texto.

O resultado encantou a todos nós e, por isso, decidimos compartilhar com a família Carmelita.

Abaixo, seguem alguns textos dos alunos:

 

Turma A

 

A formiga e a pomba

 

                - Ah! Que dia lindo! Só esse riozinho para eu admirar! Chuaaa!!

                - Socorro! Socorro!

                - Ah, não! Aquela formiguinha está em perigo!

                - Toma, formiguinha. Pega esse raminho.

                - Obrigada, pombinha.

                - De nada.

                - Hã? O que aquele moço está fazendo com aquela pombinha?! Já sei! Vou morder o pé dele. Inak!!!!

                - Aaaaaiiiiiiii!!! Meu pé!

                - Obrigada, formiguinha!

                - De nada, pombinha! Obrigada você também.

 

Moral: Quem ajuda o outro sempre se dá bem no final.

 

Ana Flávia Nunes Casteliani

 

 

 

A formiga e o passarinho

 

Era uma vez um passarinho descansando. De repente, ele viu uma pobre formiguinha se afogando na água.

- Socorro! Socorro! Alguém me ajude!

O passarinho pegou uma folha e disse:

- Eu te salvo, formiguinha.

A formiga ficou toda feliz em ser salva pelo passarinho e disse:

- Queria muito fazer algo para te agradecer.

- Não precisa. Eu fiz o que eu achei melhor.

Aí, a formiga percebeu que havia um caçador preparando uma armadilha para o passarinho e disse:

- Que caçador esperto! Amarrar uma corda em um graveto, colocar o graveto segurando uma caixa e, debaixo da caixa, colocar migalhas.

O passarinho viu e disse:

- Oba! Migalhas!

O caçador estava quase pegando o passarinho quando a formiga picou o pé dele. Ele não conseguiu pegar o passarinho e disse:

- Ai!! Quem picou meu pé?

O caçador fugiu e nunca mais voltou.

 

Moral: Ajude alguém que, uma hora, receberá a recompensa.

 

 

Sofia Sibinelli de Oliveira

 

A formiga e a pomba

 

Em um belo dia, uma formiga estava passeando perto de um rio. Então, ela tropeçou e caiu no lago. Mas ainda bem que uma pomba a ajudou antes que ela se afogasse. Então, a formiga falou:

- Muito obrigada, senhora Pomba, por ter me salvado.

Então, a pomba respondeu:

- Não foi nada.

A formiga viu um homem estranho que estava com uma armadilha de pássaros e ficou apavorada. Ela não sabia o que fazer e também ficou com medo do homem capturar a pomba. Então, ela picou o pé do homem e deu um jeito da pomba não ser capturada. E a pomba fugiu. O homem ficou furioso. Então, todo mundo ficou salvo.

 

Moral: Nós devemos ajudar os outros que precisam e não capturar os animais.

 

Sofia Monte-Mor e Silva de Assis

 

               

 

Turma B

 

A mãe, a filha e as 500 desculpas

 

Um dia, uma mãe e uma filha fizeram um acordo. Elas combinaram que, se sua filha ganhasse na loteria, ela também ganharia uma festa com 500 pessoas, mas a mãe disse que só faria a festa depois que ganhasse na loteria.

Então, a filha não quis esperar e convidou todas as 500 pessoas.

Logo após, a mãe disse para a filha que não ganhou e, assim, a filha foi obrigada a pedir desculpas para as 500 pessoas.

Moral: Paciência é uma virtude.

 

Isadora Pires e Sofia Gonçalves

 

O menino e o urso

 

                Um menino e seus primos estavam brincando de “adivinhe o animal”, e o menino teve que imitar um urso. Nesse momento, um dos seus três primos falou que não tinha medo de ursos, e o menino falou que, se encontrasse um urso, iria matá-lo.

                Um dia, o menino e seus primos foram ao zoológico e foram à jaula do urso. Quando o zelador foi entrar para alimentar o urso, ele atacou o zelador. Depois, fugiu e foi para cima do menino, que fugiu chorando e gritando:

                - Socorro! Socorro! Socorro!

                Moral: É fácil falar quando o perigo está longe.

 

André Rosas e Breno Frossard

 

 

A Formiga e o Carrapato

 

                Uma formiga adorava estudar. Não faltava a nenhuma aula. Já um carrapato odiava todas as matérias, não prestava atenção e matava as aulas.

No dia da prova surpresa, a formiga ficou aliviada, pois tinha estudado adiantadamente. Na hora do resultado do teste, a formiga passou de ano, mas o carrapato ficou de recuperação.

 

Moral: Quem se esforça tem sucesso.

 

Paulo Vieira e Rogério Júnior

 

 


MISSÃO JOVEM REGIONAL LESTE II

 

No último dia 15 de janeiro, aconteceu na Diocese de Teófilo Otoni a missa de envio dos missionários que vieram para nossa Diocese, para participarem da Missão Jovem Regional Leste 2.

A diocese de Teófilo Otoni recebeu jovens missionários de diversas arquidioceses e dioceses do regional leste 2, para realizar as missões entre o dia 14 e 21 de janeiro. A ideia do projeto, de realizar atividades missionárias no Regional, partiu dos três eixos de evangelização, votados como trabalho para Juventude. A ação tomou impulso a partir do projeto Missão Jovem, da CNBB, e se associa ao pedido do Papa durante a Jornada Mundial da Juventude no Brasil, em julho de 2013.

Nos dias 15 a 20 de janeiro, as Irmãs Carmelitas da Divina Providência receberam no Abrigo São Vicente de Paulo, sete jovens missionários da Arquidiocese de Belo Horizonte que vieram para a missão na Paróquia Nossa Senhora dos Anjos de Itambacuri/MG. O Abrigo S. Vicente de Paulo serviu de base para todos os trabalhos realizados; refeições, planejamento do dia e avaliação.  As Irmãs Carmelitas, sempre solícitas, foram essenciais para que ocorresse tudo conforme o planejamento. Também auxiliaram na acolhida, no preparo das refeições, no transporte e na hospedagem. 

Foram mais de 20 famílias visitadas pelos jovens missionários juntamente com alguns jovens de nossa paróquia mesmo debaixo do sol quente e as longas distâncias, no bairro Coqueiros (Comunidade N. Sra. das Graças), no Lauro Lopes (Comunidade São Bento), no Santa Clara (Comunidade Santa Clara)  e também na Várzea (Matriz). Foram visitados também o Lar São Vicente (asilo), o convento das Clarissas Franciscanas, a Casa da Cultura, O convento dos Frades Capuchinhos, incluindo o Museu de Arte Sacra dos Frades, Santuário Nossa Senhora dos Anjos que é regionalmente conhecido pela devoção popular trazendo milhares de pessoas anualmente em peregrinação e a igreja Matriz Sagrado Coração de Jesus.

Muitas atividades foram desenvolvidas durante os poucos dias de missão, Missa de acolhida na matriz presidida pelo pároco frei Reinaldo Ávila de Moura, Missa com a RCC presidida pelo Pe. Wally Soares, exibição do documentário que mostra uma realidade de Pio XII enfrentando o nazismo de Adolf Hitler contrariando a suposta aliança entre os dois. Teve também luau do Santo Terço com os Jovens, Missa de encerramento no Santuário Nossa Senhora dos Anjos presidida pelo Pe. Malvino, da diocese de Colatina, que destacou a necessidade da juventude em missão. Também houve os momentos de interação e partilha e lazer entre os jovens.

A missão encerrou-se em Itambacuri com um almoço no Carmelo e uma avaliação daquilo que foi observado e em seguida os jovens retornaram para Teófilo Otoni no dia 20.

 

Irmã Edna e Lucas Martinho - Assessores de Juventude


DE CORAÇÃO PARA CORAÇÕES...

                   “Cantarei a Javé enquanto eu viver e louvarei ao meu Deus enquanto eu existir”. (Sl 104, 33)                                                                   

                                                                                                                

      As Irmãs Jubiladas do ano de 2016 estavam em Retiro, no Seminário da Floresta, em Juiz de Fora. Em minha oração nas intenções de cada uma delas. Nesse momento, em Saquarema, me dei conta de que o meu jubileu já estava acontecendo. Fui invadida por uma alegria que não cabia dentro de mim. Minha vida toda veio à tona. Um sentimento incalculável de gratidão... a gratidão  era maior do que eu mesma.  Grata pela Fidelidade do Pai em todo este tempo, por toda minha vida, minha história, uma história habitada também pelas pessoas que comigo construíram esta caminhada que com orgulho posso dizer: “linda”, “rica”, “venturosa”! Para mim, a VRC é uma aventura de amor, na qual, ora somos levadas nos braços amorosos do Pai; ora estamos de joelhos pedindo força, coragem, luzes e sempre na certeza de que “seu fardo é leve e seu jugo suave”.

Como sempre acontece comigo guardei sob sete chaves todo este sentimento, esta alegria, até que surgiu a oportunidade e, numa reunião, disse às Irmãs que gostaria de ter uma celebração Eucarística de Ação de Graças, Louvor e Gratidão celebrada com alguns Sacerdotes com quem havia trabalhado aqui em Saquarema e com o povo. Com a aprovação da Comunidade começamos os convites. Dom José Francisco, nosso Arcebispo e os demais padres. Houve grande envolvimento das pessoas na organização e participação aqui da Vila Saquarema e Bacaxá.  Padre Mário, nosso pároco que assumiu com muita disponibilidade e o Padre Jorge que foi o grande incentivador, oferecendo toda a infraestrutura da celebração.  Finalmente chega o dia 10 de fevereiro, com a Celebração que para mim foi à grande festa; a culminância deste primeiro momento de minha expressão de gratidão ao Pai, um tempo forte de minha vida de Carmelita da Divina Providência, digo primeiro tempo, porque tenho certeza de que outros virão assim como aconteceu no dia 20/02.  Padre Ademar, nosso amigo presidiu uma Celebração Eucarística e me deu uma benção solene, muito emocionante.

Ao Pai, ao Filho, ao Espírito Santo eterno louvor, Sua misericórdia é para sempre...

                                                             

    Irmã: Zélia Salgado


Turmas do Terceiro Ano participam de aula prática no Laboratório de Ciências

No dia 15 de fevereiro, as turmas do Terceiro Ano do Ensino Fundamental I - Carmo de Juiz de Fora - receberam o professor de Ciências do Ensino Fundamental II, Marcílio Almeida, no Laboratório de Ciências.

Por estarem estudando os conceitos de matéria, de massa e de volume, o professor realizou alguns experimentos sobre o conteúdo já explicado pelas professoras. Os alunos ficaram impressionados com a aula prática.

Os alunos Beatriz, Gustavo e Sofia registraram o momento.

 

A minha turma foi ao Laboratório de Ciências para entender que duas matérias não ocupam o mesmo lugar no espaço. O professor Marcílio pegou um funil, despejou uma água com corante e apertou o funil com força. Como o ar tinha entrado no copo que ele colocou o funil, e ele já tinha apertado o funil, o ar não saiu do copo e não deixou passagem para a água. Foi muito legal.

Depois, ele pegou uma vela, acendeu com fósforo e despejou água com corante por cima. Após, colocou um copo por cima da vela e, de repente, o fogo foi apagando e a vela apagou. Eu me diverti muito. Espero mais aulas assim.

Sofia Jaenicke, Turma A

 

O professor Marcílio nos orientou e fez várias experiências. Nós gostamos muito das experiências e aprendemos que dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço.

Beatriz Vaz, Turma B

 

Nas experiências com o tio Marcílio, nós aprendemos muitas coisas. Por exemplo: que duas matérias não podem ocupar o mesmo espaço. Todo mundo achou legal. Nós gostamos muito de aprender.

Gustavo Senra, Turma C


“SERVIR A DEUS, AOS POBRES E AOS ENFERMOS. DA FUNDADORA É A INSPIRAÇÃO”...

Partilho com vocês a experiência de um projeto do qual participo aqui em Barbacena e que muito me alegra em servir nossos irmãos.

No gesto concreto da Novena de Natal de 2015, fiz o compromisso de visitar o Projeto Pão e Beleza que acontece na minha Paróquia e desde a visita estou participando dele. Um gesto concreto de Natal que se tornou um compromisso.

O Projeto Pão e Beleza têm como público alvo moradores que vivem em situação de rua e tem como objetivo principal o resgate da auto estima, buscando a reinserção social.

Trata-se de um grupo de voluntários que desenvolvem um trabalho ecumênico, objetivando, dentre vários aspectos, cuidar de quem realmente necessita.

Nesse Projeto, acolhemos nossos irmãos “pobres e sofredores” todas as terças e sábados. Na terça-feira, servimos lanche no período da tarde e, mais tarde o jantar. Aos sábados, oferecemos café da manhã e almoço. Ainda no projeto, os necessitados têm a oportunidade de tomar banho, receber roupas limpas, cortar o cabelo, unhas, aparar a barba, além de momentos de reflexão, troca de experiências, diálogo, através de conversa motivadora, de espiritualidade e partilha. Após a conversa eles tomam a refeição preparada pelos voluntários. É um trabalho muito bonito que implica muita generosidade e gratuidade dos voluntários, pois o Projeto está de pé por que é uma obra Divina e pelo amor ao próximo dos voluntários que se comprometem com a obra.

Nós, seguidores de Cristo, “podemos nos tornar instrumentos nas mãos do Senhor, se tivermos o coração abundante de amor e solidariedade; podemos suavizar a tragédia da vida de muitas delas, curando suas feridas”. Para que isso aconteça, só dependerá da abertura do nosso coração.

 

Irmã Lucenir


Experiência Missionária em Angola

Queridas Irmãs, dentro de pouco tempo completarei 1 mês de chegada em Angola, aqui cheguei no dia 01 de fevereiro. Pouco tempo de estadia, mas as aprendizagens já são numerosas. Ao entrar no meu quarto encontrei entre os cartões de acolhida, um que assim dizia: “Para bem viver em Angola é preciso ter três qualidades: paciência, paciência e paciência!” Isso é realmente uma grande verdade e, no dia-a-dia, a realidade nos desafia a sermos aprendizes dessa grande virtude.

 

Se a paciência é uma virtude a exercer, a competência é uma habilidade a adquirir. Com a falta de água, que é uma constante em nosso cotidiano, tornamo-nos competentes em saber economizar e a reduzir o seu consumo. Para acompanhar a carência da água temos também a falta de luz. Jamais sabemos ao certo quando teremos energia elétrica, logo, quando a temos, apressamo-nos a reservar a quantidade de água necessária ao nosso consumo. Digo reservar pois devemos ferver a água antes de filtrá-la e isto exige que estejamos atentas aos momentos em que temos a luz. Na verdade, em Angola tem uma grande hidrelétrica que poderia abastecer todo o continente e que fornece energia para a Namíbia, entretanto aqui no país a luz é uma raridade. Aplica-se bem as palavras do salmista: “O pobre sofre e cai no laço do malvado.”

 

Na verdade, nós irmãs, não podemos queixar-nos porque temos uma caixa de água que nos permite ter o suficiente para a semana, mas para tal, usamos o mínimo possível e aproveitamos o máximo a água utilizada. Então, água pura somente para o banho, para beber, para a cozinha e para lavar roupa. Somos felizes por não termos que procurar em outros lugares conforme o faz a maior parte da população. É por isso que para nós, a água e a luz são os dois bens mais preciosos.

 

O clima está super seco e muito quente, a chuva parece ter fugido daqui, por isso as crianças sofrem com problemas respiratórios e de pele, sem falar da malária, da cólera e febre tifóide.

Apesar de todas as dificuldades, o povo sorri e dança. As crianças brincam muito e são alegres. As mulheres são verdadeiras heroínas! Elas trabalham além da conta, são elas que vendem as mercadorias para garantir o sustento da família; elas que carregam a água; cuidam da casa; das crianças e das capelas.

Neste primeiro mês, como atividade, estou fazendo um pequeno estágio no Centro de Saúde onde a enfermeira chefe é uma religiosa brasileira, Ir. Jocely, muito competente, ela está em Angola há mais de 20 anos e conhece bem o povo angolano. Além disso, acompanharei os meninos e jovens da Casa Família, um internato dos Salesianos onde estão 40 crianças que viviam em situação de risco. Minha outra tarefa será acompanhar a Comunidade Nossa Senhora do Rosário e os Vicentinos. Aos sábados participo da Pastoral da Criança.

 

Aqui é a área de missão dos Salesianos de Dom Bosco, nós trabalhamos nas obras que lhes pertencem. Sem eles não sei o que seria do povo angolano. Eles fazem tudo o que podem para minorizar o sofrimento do povo, mas é uma situação muito difícil e uma realidade política bastante caótica.

 Atualmente, os dois centros de saúde dos Salesianos ameaçam fechar as portas, porque o Governo Federal não cumpre sua parte e é impossível para os padres tudo custearem. Isso será uma calamidade, e dentro de um mês, a vida do povo estará ainda pior. Rezemos por esse povo! Além do mais, o custo de vida é absurdamente inflacionado e os preços são por demais elevados. Pensar que o país tem reserva natural de diamantes e petróleo! São coisas que nos fazem pensar.  Bem, por enquanto, fico por aqui e, à medida que for conhecendo melhor, escreverei um pouco mais.

Estejamos unidas em oração.

Ir. Mellina Clemente Botelho.


Visita à Comunidade Flor do Carmelo - Casa de São José

Em visita à Comunidade Flor do Carmelo, que abriga a Obra Social Casa de São José, fiquei muito feliz ao ver como as nossas Irmãs ampliam a comunidade com muitas pessoas amigas. A Eucaristia dominical é uma festa que continua no lanche compartilhado.

Neste último domingo, recebi as boas vindas do Senhor Dario Lopes que nos recordou com carinho a história desta casa. Vale a pena ler o que ele disse:

Quero, em nome de nossa comunidade, dar-lhe as boas-vindas e agradecer a sua visita a nossa casa.

A nossa casa tem um grande privilégio: estar situada na cidade do Dedo de Deus e ter como padroeiro São José. Um homem simples, honesto, trabalhador, e naturalmente, deve ter sido um ótimo filho. Pobre e muito justo, um homem de Deus. Foi escolhido por Deus para ser o pai adotivo de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Foram estes predicados que me encantaram desde a primeira vez que entrei nesta Comunidade, em 12 de outubro de 1979, pois lá estavam mulheres simples, humildes e trabalhadoras.

Era o dia das crianças. Ao tocar o sino fui recebido com um sorriso maravilhoso de uma Irmã chamada Leontina.

Dali pra frente foi amor a primeira vista.

Lá estava outras Irmãs maravilhosas: Irmã Consolação, que está em Itambacuri e falei com ela ontem. Estava a Ir. Matilde que enxergava com o coração e a Irmã Edna que está conosco aqui e outras...

Ali eu conheci um verdadeiro trabalho humanitário, a dedicação delas com aquelas crianças lá internadas. Trabalho este que é mantido com o mesmo amor e dedicação hoje com a querida Irmã Maria Helena Lomeu e sua equipe.

Agradeço muito a Deus por ter conhecido e fazer parte desta COMUNIDADE.”

Meu coração também se enche de gratidão a Deus por experimentar que nossa missão de “Servir a Deus, aos pobres e enfermos”, tal como se exprimiu nossa fundadora, continua viva e cheia de alegria.

Irmã Dazir


É BOM DAR GRAÇAS AO SENHOR!

No dia 18 pp. celebramos com muito entusiasmo e gratidão o louvor a Deus pela Inauguração da Nova Residência da Comunidade Santa Tereza D’Ávila e da nova sede do Instituto Onda Gomes. 

A celebração Eucarística aconteceu às 10h30, presidida pelo Vigário Paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Piedade, Padre Isauro Sant’Ana Biazutti, e concelebrada pelo Padre Geraldo Luís, advogado Eclesiástico das dioceses: Leopoldina, Juiz de Fora e São João Del Rei com a participação do Diácono Prado, da mesma Paróquia em Barbacena.

Tivemos a alegria de poder contar com a bela participação de 37 Irmãs de várias comunidades da Nossa Província, do nosso Governo Geral representado pelas Irmãs Dazir e Edwiges, pela Superiora Provincial, Ir. Maria Imaculada Resende Pereira e as Conselheiras Ir. Júlia e Ir. Bernadete. Também tivemos uma bonita presença das Educadoras do Instituto Onda Gomes e da nossa Comunidade. Agradecemos a presença da Sandra e Alice do Escritório Madre Bernadete, da Mariinha, ex. interna do Educandário de Cataguases. Motivo de alegria foi ainda a presença de nossa querida ex. Juniorista Mariana Lopes, que tanto lutou, trabalhou, concordou e discordou para que essa Obra pudesse ir adiante e da vocacionada Karina, colaborando na acolhida.

Ao acompanharmos os celebrantes na bênção desta casa, o nosso coração transbordava de alegria e do pedido de que ela seja realmente um lugar abençoado para todos os que nela vivem e trabalham, especialmente para as crianças. Que elas possam experimentar aqui o quanto são valiosas e amadas pelo Pai do Céu e cresçam felizes, desenvolvendo os dons que o mesmo Pai lhes deu.

Nossa Gratidão a Deus acima de tudo.  Que Ele continue iluminando a nossa Congregação, as responsáveis mais diretas para que tudo seja feito em prol da construção do Reino de Deus!

Ir. Osmira Gonçalves


INÍCIO DAS ATIVIDADES DO INSTITUTO ONDA GOMES EM SUA NOVA SEDE

INICIO DAS ATIVIDADES DO INSTITUTO ONDA GOMES

EM SUA NOVA SEDE

            Iniciamos as atividades do Instituto Onda Gomes no dia 06 de fevereiro, com muita alegria diversão e, o mais importante, em nossa nova casa. As crianças chegaram com toda animação irradiando ternura e felicidade. Em seus olhinhos brilhantes traziam a curiosidade o encantamento pelo seu novo espaço de convívio social. Tudo para elas é novo, feito especialmente para atender suas necessidades.

            O quanto é gratificante para nós Carmelitas da Divina Providência podermos contribuir para que esses nossos assistidos tenham um atendimento de qualidade e de terno cuidado, fazendo-nos sempre pensar naqueles que são os preferidos do Pai e com certeza os prediletos de nossa Madre Fundadora.  Na esperança e no compromisso de estarmos cumprindo a vontade do Senhor seguimos atentas ao mandamento do Mestre, "tudo o que fizerdes a um desses pequeninos, que são meus irmãos, foi a mim que o fizestes" (Mt 25, 40).

            Esta semana o nosso dia a dia foi mais de adaptação e de brincadeiras, através do  tema norteador desse ano em consonância com a Campanha da Fraternidade: "RESPEITAR E GUARDAR A CRIAÇÃO EM DEFESA DA VIDA" queremos orientar nossas atividade realizadas nas oficinas com as crianças incutindo e despertando em cada uma delas o cuidado com a criação e o respeito à vida.

             Atualmente o projeto "Brincar e Aprender" atende 71 crianças de 04 a 10 anos de idade em dois períodos, manhã e tarde, oferecendo três refeições diárias. No momento o Projeto desenvolve as seguintes oficinas: Ates/Artesanato, Contação de Histórias, Teatro, Esporte, Música/Violão, Capoeira, Pintura em Tecido e Bordado Vagonite. Essas atividades visam contribuir para um desenvolvimento humano integral das nossas crianças, buscando acolher suas individualidades familiar e social, contribuindo para uma transformação efetiva de sua realidade psicossocial.

            Louvamos e bendizemos ao Senhor Deus que nos sustenta em nossa caminhada para melhor servi-Lo através dos nossos irmãos mais necessitados!

Por tudo demos graças ao Senhor!

Irmã Luciana Flávia


Medicina UFJF: 1º lugar é de um estudante do Carmo

Aprovado no curso mais concorrido das universidades federais, 

aluno tem apenas 18 anos e concluiu o Ensino Médio em 2016

 
É do Carmo de Cataguases o 1º lugar em Medicina na UFJF. O estudante Carlos Eduardo Nardouto Simões conquistou esta colocação depois de tirar 960 em 1.000 na prova de Redação do Enem 2016, além de ter acertado quase todas as questões da prova de Matemática, obtendo a média geral de 846 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio. Pelo PISM (Programa de Ingresso Seletivo Misto), também na UFJF, ele ficou novamente em 1º lugar em Engenharia Elétrica.
 
Com apenas 18 anos e tendo concluído o Ensino Médio no Carmo em 2016, Carlos Eduardo, o Cadu, como é carinhosamente chamado por seus colegas, conseguiu esta classificação extraordinária sem fazer cursinho preparatório; apenas estudando com dedicação na escola e em casa. Até o 5º ano do Ensino Fundamental, ele estudou na Escola Estadual Dr. Norberto Custódio Ferreira. Veio para o Carmo no 6º ano, sendo reconhecido, desde então, por seus professores e colegas como um aluno exemplar, estudioso e amigo. “Vou optar pela Medicina, embora tenha ficado indeciso com a Engenharia”, decidiu-se Cadu, que enche de orgulho os pais, Ciro Simões e Karla Trota, que são vendedores de água de coco na Praça Rui Barbosa.
 
Sobre suas estratégias de estudo, Carlos Eduardo explica: “Não tem mistério. Quando a gente vem pra escola, deve prestar atenção na aula e, em casa, estudar umas cinco horas por dia, fazer as tarefas, focando nos conteúdos que o professor priorizar. Nunca fiz cursinho, optei por explorar ao máximo o que estava aprendendo em cada etapa. O material didático é muito bom, os professores são muito bons, só tenho elogios a fazer ao Carmo.”
 
A tranquilidade na hora de fazer o Enem também foi apontada por Cadu como um ponto importante para que ele obtivesse este resultado. “Manter a calma durante a prova é importantíssimo. Eu pensei: estou preparado e pronto. Ao longo do ano de 2016, eu treinei muito nos simulados e oficinas de redação e consegui administrar bem o tempo da prova”, contou.
 
 
Ao se despedir, de mudança marcada para Juiz de Fora, ele declarou: “Já estou com saudades desta escola. Acho que deve ser difícil encontrar, em outro lugar, o mesmo acolhimento que tive no Carmo. Aqui fiz boas amizades com os alunos, professores, funcionários. A gente se sente muito bem aqui.” Volte sempre, Cadu! Você e todos os nossos ex-alunos são sempre bem vindos!

Homenagem ao Colégio Nossa Senhora do Carmo de Teresópolis/RJ

Este lindo texto é da aluna Helena Carvalho, do 3º ano do Ensino Médio de 2016, e merece ser compartilhado, pois nas suas palavras, encontramos onde o Carmo deixa de ser uma escola e se torna uma família!

 

“Eu, como aluna do Colégio Nossa Senhora do Carmo durante quinze anos, sem nunca ter pisado em outra instituição de ensino, não poderia deixar de homenagear o colégio no qual cresci e me formei.

 

Há uma linha tênue que separa "ser humano" de "gente". Ser um ser humano é ter, simplesmente, um coração pulsando sangue, ser gente é ter a pulsação desse coração no ritmo da batida do coração de outros "alguéns". Num mundo em que as pessoas são qualificadas pela velocidade em que executam tarefas, estudar no Carmo é privilégio. Nesse colégio, aprendi a ser gente. A olhar para o lado, reconhecer habilidades infinitas de outras pessoas, ver o próximo como semelhante. No Carmo, aprendi que dois trabalham muito melhor que um, que amor nunca é demais e que humildade é fundamental na vida de qualquer pessoa. Dentro desses muros, nunca fui mais um número na chamada. Nasci ser humano, mas aqui me "gentilizei " em todos os possíveis sentidos metafóricos dessa palavra. Sou gente gentil. No Carmo, aprendi a ver o mundo muito além da física ou dos números complexos da matemática. Me habilitaram a enxergar além dos relevos aprendidos em geografia. Hoje, sei que a língua portuguesa vai muito além das orações coordenadas e subordinadas, já que um "bom dia" muda o dia de alguém. Nessa escola, entendi que a anatomia de biologia vai além dos ossos que tive que decorar, pois um abraço apertado, que une corações, vale mais do que qualquer corpo humano desenhado nos livros. Por fim, descobri de vez que a história vai muito além do último capítulo do livro escolar que li há umas semanas atrás. Porque a minha nova história começa agora. A última chamada foi a chave para a porta do mundo. Tal mundo que me chamará todos os dias. Porém, sem a oração da Irmã Arlete pela manhã, sem a Ângela colocando a turma para dentro de sala, sem o tio Lourenço dizendo que todas as meninas são modelos lindas, sem a tia Cláudia me ouvindo e me apoiando em todos os momentos que precisei, sem a famosa frase dos professores "tá fácil para quem estudou". Mas, não tenho o que temer. Afinal, tive formação em ser gente. E gente não tem medo do mundo, gente transforma o mundo. Obrigada Colégio Nossa Senhora do Carmo por ter me dado a melhor formação que eu poderia ter: simplicidade, humildade e coragem para a vida que me espera. Que venha a faculdade!”

 

Helena Carvalho, aluna do Colégio Nossa Senhora do Carmo de Teresópolis,

formada em 2016.


Envio para o Estágio Apóstolico

Com muita alegria, no dia 02 de fevereiro, na Festa da Apresentação do Senhor, durante a Celebração Eucarística presidida pelo Frei Leonardo Ferreira Botelho, O.Carm., realizada na Comunidade da Casa Regional e Noviciado Nossa Senhora do Carmo, agradeci a Deus pela conclusão do ano canônico do meu Noviciado e o meu envio para o estágio apostólico na Comunidade do Carit, no Rio de Janeiro.

Rejubilo-me em Deus por todo caminho até aqui percorrido e, confiante na Providência Divina, estou em serena expectativa e animada para o meu período de estágio. O local escolhido já evoca em mim e na minha busca pela vida carmelitana, desde seu nome, um grande simbolismo: Carit. Inspirada pelo exemplo do Profeta Elias, coloco-me aberta para continuar sempre aprendendo mais de Deus, buscando compreender e fazer sua Vontade em mim, bebendo e sendo alimentada pelas oportunidades que a Congregação dispõe para minha formação.

Retiro-me de Petrolina por este tempo, já com saudades, pois vivi intensamente meu um ano e meio de noviciado. Agradeço a acolhida das irmãs da Casa Regional, que se abriram para o desafio de acolher o noviciado e também pelas irmãs do Carit, que já demonstram muito carinho com a minha chegada.

Agradeço, também a presença terna de Irmã Dazir da Rocha Campos, superiora geral da Congregação das Irmãs Carmelitas da Divina Providência, que veio especialmente para este momento da minha caminhada.

Noviça Alenir Pedrosa


OLHOS e CORAÇÃO VOLTADOS PARA A ÁFRICA

No dia 30 de janeiro de 2017, duas Congregações Religiosas de origem brasileira se uniram para celebrar o envio de Irmã Melina Botelho para a Missão em Angola.  Há dez anos as Irmãs Sacramentinas de Nossa Senhora fundaram uma comunidade em Angola. O envio da Irmã Melina, renova a esperança das Irmãs Eva e Sebastiana em dar continuidade aos trabalhos de evangelização em terras africanas.

 

O envio constou da Eucaristia presidida pelo Padre John Kennedy Crepaldi, na Capela da Fraternidade Divina Providência, Rua Serranos, na Serra em Belo Horizonte. Estavam presentes as Irmãs da Comunidade Carmelita e de um grupo de Irmãs Sacramentinas, a saber, Cacilda Mendes Peixoto, Maria da Penha Holmes, Ana Maria de Paula, Maria Aparecida Rosa, Patrícia Dias, Valéria Cândido Miranda e Clotilde de Souza. Na simplicidade, na alegria da partilha, no clima fraterno e cheio de esperança aconteceu a cerimônia. As duas Superioras Gerais se expressaram mostrando contentamento e gratidão a Deus pelo dom da vocação missionária. Ir. Cacilda acolheu Ir. Melina oferecendo a ela uma imagem de Nossa Senhora da Eucaristia; Ir. Dazir da Rocha Campos dirigiu palavras de ânimo e de agradecimento pela disponibilidade do Sim de Ir. Melina. Ir. Valéria, que participou da missão durante quatro anos, ofereceu um símbolo característico das mulheres de Angola, a capulana, um pano que usam como veste.

 

Após a mesa da Eucaristia, foi oferecido um lanche gostoso no refeitório da Comunidade. Que a Madre Fundadora e o Fundador Padre Júlio Maria olhem com carinho de eternidade para as Irmãs brasileiras em Angola.

Ir. Marlene Frinhani


Irmã Ilma – Ouro, Incenso e Mirra

No dia 08 de janeiro – Festa da Epifania do Senhor – a nossa querida Irmã Ilma Duarte Martins silenciosa e serena voou para junto do Pai como incenso de suave odor.

Nós, suas Irmãs, ficamos com uma mistura de sentimentos: gratidão, ternura, saudade. Nós a devolvemos a Deus como ouro pela preciosidade de sua presença na vida da Congregação e de cada uma de nós: muitos anos no serviço de Governo Geral, presença fraterna nas comunidades, livros com nossa história e valores. Entregamos como incenso pela sua vida de oração e intimidade com Ele, que guardamos de suas palavras e seu jeito de viver. Também oferecemos a mirra de seus sofrimentos na doença, sempre com serenidade e um sorriso nos lábios e no olhar.

Ir. Dazir

Algumas pessoas assim se expressaram, fazendo eco no sentimento de tantas outras:

 

“Desde então só me vem a imagem serena dela e a lembrança do quanto ela nos alimentou da espiritualidade carmelitana. Eu sempre digo que eu não me sinto só aqui no Haiti. Sinto cada uma das Irmãs aqui presente e de cada uma trago algo que me alimenta e é referencial. Da Ir. Ilma trago a vivência profunda da espiritualidade carmelitana. Essa fonte inesgotável na qual ela bebia e que se manifestava no seu jeito de ser. É mais um anjo para interceder por nós.” Ir. Ideneide Rego

 

“Quero em nome de todas as  Irmãs Missionárias Carmelitas expressar o nosso pesar. Temos um imenso afeto pela Irmã Ilma, que agora descansa nos braços de Deus. Seu legado para nós foi ser ativa na contemplação e contemplativa na ação.” Ir. Gilvania

 

"Vem Senhor, e ao clarão de tua face, se passe inteira a minha vida, se opere a nossa união"  “Hoje Irmã Ilma entrou na plena união com o Senhor seu amado. Partiu, mas deixa em nós marcas profundas de amor, de amizade, de testemunho CDP. Obrigada Senhor por sua vida doada entre nós.” Ir. Teresa Cristina Duque Carvalho

 

"Temos mais uma Santa no paraíso, a interceder por todos nós!" Este foi o sentimento espontâneo que tive, ao receber a notícia da 'passagem' da querida Irmã Ilma para o encontro com o Pai. Ela viveu na alegria e com muita convicção a sua vocação para o Carmelo. Fica para nós o seu grande testemunho. Associo-me a todas as Irmãs, enquanto louvamos ao Deus da Vida, pelo grande Dom de sua Misericórdia que foi a pessoa de Irmã Ilma. Possa ela repousar na Paz do Senhor, intercedendo pela Congregação que ela tanto amou e pela Missão do Carmelo, na Igreja e no mundo!”

Fraternalmente no Carmelo, Frei Paulo Cardoso.

 

“Eu me lembrei de quando eu saí do noviciado que fui morar com ela na Fraternidade Divina Providência o quanto ela me ajudou . Tenho boas experiências vividas com ela. Agradeço a Deus por tê-la conhecido.”  Irmã Ana Mary Neves


Conclusão de Curso

 Ensinar não é transferir conhecimento,

mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção.

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.  (Paulo Freire)

 

            É tempo de louvar e agradecer ao Senhor por todas as maravilhas que Ele realiza em minha vida. Há quatro anos iniciei em Barbacena MG, na Instituição Superior de Educação "Dona Itália Franco" Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG o Curso de Pedagogia. Realmente foi um tempo de muito confronto, trabalho, seriedade e conquistas, onde pude adquirir e compartilhar experiências as quais foram sendo confrontadas no dia a dia da missão em que estou inserida no Instituto "Onda Gomes". Educar é uma arte que vai além de alfabetizar o sujeito para  ler, escrever e efetuar contas. Educar é caminhar lado a lado com a pessoa é fitar os olhos do educando perpassando por toda sua história humana e familiar e a partir desse encontro proporcionar espaço de desenvolvimento integral desse sujeito cuidando para que realmente ele desenvolva sua personalidade com integridade e harmonia. Nesse sentido, a pedagoga é desafiada a despertar no aluno o que ele tem de melhor escondido em seu interior. 

            Esse momento, portanto, é de gratidão e alegria pela conclusão  do Curso de Pedagogia, pois, sabemos que a formação acadêmica nos prepara para o exercício técnico e consciente de uma determinada profissão. Acredito que para a Vida Religiosa um curso Superior além de nos preparar para uma profissão específica ele nos abre margens e principalmente nos instiga ao exercício da missão a nós confiada com segurança e responsabilidades técnicas mais assertivas.

            Agradeço à Congregação das Irmãs Carmelitas da Divina Providência na pessoa das Irmãs Dazir da Rocha Campos, Superiora Geral e Maria Imaculada Resende Pereira, Superiora Provincial, pela confiança, apoio e principalmente pela oportunidade de aperfeiçoar minhas habilidade profissionais na intenção de melhor servir a Congregação. Agradeço com muita ternura minha querida Comunidade Santa Teresa D'Ávila, pela compreensão, incentivo e dedicação durante os anos da caminhada acadêmica. Enfim, gratidão a cada uma das Irmãs que sempre pude sentir a presença fraterna, atenciosa e amiga durante essa trajetória.

            Por tudo quero dar graças ao Senhor, e pedir a nossa querida Mãe Santíssima que nos abençoe e nos conduza no bom caminho da fidelidade e da fraternidade.

Irmã Luciana Flávia


Coragem e Solidariedade

“Eis que está a terra envolvida em trevas, e nuvens escuras cobrem os povos;...”
Assim diz o Profeta Isaias na 1ª leitura deste domingo da Epifania. E é o que estamos vivendo nos últimos dias em Manaus/AM com sentimentos de tristeza, de medo e de revolta depois do terrível massacre em um dos Presídios justamente no dia da PAZ (1º/01) quando nós cristãos do mundo inteiro proclamamos a grande LUZ que brilha nas trevas: JESUS!

    
Nossa Arquidiocese de Manaus, que há 40 anos realiza a Pastoral Carcerária, pode testemunhar as fragilidades do Sistema Penitenciário e se solidariza com os familiares anunciando, em contrapartida, a Paz e a Esperança.       


Num gesto de coragem, ousadia e solidariedade, nosso Bispo Dom Sergio Castriani convocou o povo e celebrou, neste sábado, a Missa de 7º dia na Catedral Metropolitana de Manaus “Nossa Senhora da Conceição” em sufrágio dos mortos no massacre e para consolo das famílias. Estavam presentes representantes da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP), membros da Pastoral Carcerária, Sacerdotes, Religiosos de várias Congregações e demais leigos que foram rezar e pedir a Paz no Sistema Penitenciário de Manaus, de Roraima e de todo o Brasil.     


Nós Irmãs Carmelitas da Divina Providência: Celia Maciel e Neuza Paiva participamos do sofrimento da população e estivemos presentes neste momento celebrativo da Arquidiocese.
Na emotiva homilia Dom Sergio nos exortou fortemente:            

“Queremos olhar o mundo e as pessoas como Jesus. E Jesus olha com misericórdia. Justiça sem misericórdia é vingança, e a vingança nos iguala na violência cometida”.


Vivência de Advento e Natal

Na Comunidade Missionária Santa Teresinha do Menino Jesus

 

Esse é o terceiro ano em que passamos o Natal aqui em Puyo-Equador. O primeiro foi o mais difícil, as saudades de como celebramos no Brasil, da família, o segundo um pouco mais tranquilo, e agora o terceiro com o coração já está sereno, as relações e os vínculos com as pessoas são mais profundas e intensas, aos poucos vamos nos adentrando no verdadeiro sentido do Natal acontecer no coração, como diz a música “o natal começa no seu coração”.

 

Iniciando o Advento,  me perguntava como vamos celebrar esse ano? Como fazer o presépio? Nossa comunidade fez retiro dia 30 de novembro com o belíssimo texto do Pe. Adroaldo: Advento: modo criativo de esperar. Foi como o clarear de um novo dia, quando vão saindo os primeiros raios até tornar-se tudo iluminado. Uma frase marcante foi: Advento não é aguardar alguém ausente; mas despertar para se fazer presente Àquele que está sempre presente. Também a liturgia de cada dia ia nos ajudando a sintonizar, a penetrar no que seria, Vem Senhor... O Salvador não cessou de vir, vem diariamente, vem para dar à nossa vida a profundidade e a largura de seu amor...

A natureza também se preparava, tivemos aqui no quintal 3 ninhos de passarinhos, que tiveram seus filhotes.

 

Dia 15 de dezembro iniciamos a novena em quase todos os setores da Paróquia, pois um já encerrou dia 17. O nosso canto sempre trazia à memória: Preparo minha casa, Jesus vai chegar, preparo também o coração, Jesus sempre chega em qualquer irmão. Nessa dinâmica, fomos preparando nossa casa, a Igreja, os grupos de mulheres, as famílias, as crianças, dando curso de Batismo.

 

Esse ano não pedimos roupas, cestas básicas, nem caramelos. A providência nos foi mandando. A cada hora chegava uma doação. Deu e sobrou, o grupo de Cáritas e a Catequese da Paróquia foram a duas comunidades indígenas mais distantes, ” compartir” a alegria do natal e doações.

 

Tivemos o retiro de Advento e dois compartir com os missionários do Vicariato. Momentos ricos de fraternidade e partilha de vida. Por tudo, damos graças ao Deus Menino, cantando:

ALEGRÍA, ALEGRÍA E PLAZER, HÁ NACIDO YA EL NIÑO EN EL PORTAL DE BELEN.

 


Conclusão do Ensino Médio - Colégio Carmo de Viçosa

No dia 24 de novembro de 2016, nós, Formandos, começamos a realmente sentir o que seria o fim da nossa jornada escolar e o início da próxima e, provavelmente, mais difícil. Nesse dia, tivemos uma linda Celebração Eucarística no Colégio Nossa Senhora do Carmo, que foi conduzida pelo Padre Renato César Stampini Oliveira. A presença e a importância de Deus em nossas vidas sempre foi enfatizada durante nossa caminhada no colégio e não poderíamos encerrar essa etapa de maneira diferente. Lá estavam todos os formandos, suas famílias, professores, amigos, funcionários, a coordenação e direção da escola. Todos unidos, agradecendo pelo lindo caminho que trilhamos até aqui, e pedindo pelos próximos que virão. 

No dia seguinte, após recebermos as bênçãos de Deus e da nossa Mãe do Carmelo, houve a mais emocionante celebração de nossas vidas: a Colação de Grau. Durante todos esses anos, nós sempre escutamos dos mais velhos que a colação seria um momento único e que marcaria as nossas vidas. Mas não tínhamos noção de que, além de ser verdade, era muito mais do que um momento único. Durante a colação, a cada professor que se levantava para falar, a cada placa de homenagem entregue, a cada canudo entregue aos formandos e, principalmente, a cada troca de olhares com aqueles que em poucos minutos se tornariam nossos ex-colegas, mas jamais nossos ex-amigos, foi emocionante. Dezenas de lágrimas escorriam e nos mostravam o quão maravilhosos foram esses anos e o quanto valeu a pena o esforço e a dedicação durante todo esse tempo. 

Durante a leitura do texto, pelos oradores da turma, nossos corações dispararam.Sabíamos que  cada momento dito, naquele momento, estava acabando, e,então, tínhamos mais noção ainda dá saudade que sentiríamos. 

A escola é assim mesmo... Começamos pequenininhos, agarrados às mãos dos nossos pais, com medo do que encontraríamos lá dentro da escola; e agora que acabou, não queremos mais soltar as mãos dos nossos professores e colegas, não por medo do que encontraremos aqui fora, mas por receio de nunca mais viver o que vivemos lá dentro. 

Em nome de todo o grupo de Formandos de 2016, quero agradecer, primeiramente, a Deus, por nos conceder a dádiva da vida, a saúde e a fé para seguirmos firmes a cada dia. Em segundo lugar, aos nossos pais, que tornaram cada sonho possível e não pouparam esforços para nos ver felizes. Em terceiro lugar, queremos agradecer a cada um dos professores que fizeram dessa caminhada um aprendizado, não só dos conhecimentos de cada matéria, mas também da vida. Obrigada, também, a cada um de nossos colegas/amigos que fizeram esse percurso ser tão divertido e alegre. 

Por último, mas não menos importante, obrigada a cada funcionário do colégio, a diretora Irmã Sônia, que foi uma mãe para cada um de seus filhos, a coordenadora Elaine e todos que cuidaram de nós nesses anos.

Guimarães Rosa disse uma vez: "Não somos os mesmos, mas sabemos mais uns dos outros. E é por esse motivo que dizer adeus se torna complicado! Digamos então que nada se perderá. Pelo menos dentro da gente...", e dentro da gente nada se perderá. Cada um de vocês estará guardado para sempre em nossos corações! 

Boa sorte aos que virão! (Ps: sorte não, porque o aluno Carmelita, na sua elegância, está preparado para todas as adversidades!). Aproveitem ao máximo cada momento, e que vocês possam ser muito felizes como fomos aqui! Obrigado por tudo, família Carmo!

 

Bárbara Parrela

Aluna da Terceira Série A


AUTO DE NATAL E CANTATA DO COLÉGIO CARMO DE VIÇOSA

Sem Jesus não existe Natal!

 

Com alegria, no dia 03 de dezembro, realizamos mais um Auto de Natal do Colégio Nossa Senhora do Carmo. Neste ano, o tema foi: “Sem Jesus não existe Natal”.

No primeiro momento, às 15h, os alunos da Educação Infantil abrilhantaram nossa tarde, reafirmando a todos nós que Deus nos criou todos diferentes. E para que o verdadeiro Natal aconteça, todos os dias, é necessário que amemos uns aos outros, respeitando o jeito de ser de cada um.

Depois da linda mensagem deixada pelos alunos, houve a encenação da história da Anunciação e do Nascimento de Jesus. Assim, foi mostrado que o Natal só existe porque Jesus nasceu. Tal fato levou-nos a entender que para o Natal acontecer todos os dias, devemos amar mais nossos irmãos. Os pequeninhos souberam representar desde a anunciação da criação do mundo até a chegada do Menino Deus.

No segundo momento, às 17h, os alunos do Fundamental I, com brilhantismo, mostraram a todos nós que, ao longo de 100 anos de história do Colégio Carmo, as Irmãs Carmelitas da Divina Providência fizeram e fazem acontecer, no nosso Colégio e em nossa cidade de Viçosa, o Natal todo o dia. Houve a encenação da chegada, de trem, das Irmãs em Viçosa, em 1917, e de seus trabalhos aqui realizados.

Após, através do teatro, da dança e de várias músicas cantadas pelo coral e tocadas pelos flautistas do 5º ano, houve a encenação da Anunciação e Nascimento de Jesus, o Senhor da História, que sempre deu e dá sentido a todos os trabalhos realizados pelas religiosas que abraçaram sua missão na arte de educar pela fé.

Pais, convidados e educadores ficaram encantados com a beleza das histórias e mensagens que nossos queridos alunos passaram, com tanta alegria e amor, a todos ali presentes.

De fato, o Natal só pode existir quando olhamos para a história de Jesus e assumimos no dia a dia a alegria de ter, em nossos corações, o Salvador. E para que o Natal, de fato, tenha sentido, é necessário que amemos uns aos outros sempre mais. Essas singelas celebrações natalinas, realizadas pelos nossos alunos e educadores, marcaram um alegre e piedoso momento de confraternização de toda a família carmelitana, neste ano centenário do Carmo em nossa cidade.

(Adriano Miguel Silva – Professor de Ensino Religioso).


PARTICIPAR É CRIAR COMUNHÃO
>Nos dias 18, 19 e 20 de novembro aconteceu, em nossa Diocese de Floresta-PE, a assembleia diocesana de avaliação e planejamento.

Foram dias intensos de escuta, partilha, reflexão, confraternização e participação, onde pudemos fazer, de fato, a experiência de que participar é criar comunhão.  

 

Culminando com o encerramento diocesano do Ano Jubilar da Misericórdia, fomos em procissão desde o Centro Diocesano de Formação, onde acontecia a assembleia, até a Catedral. Após a Celebração Eucarística foi a entronização da imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida e o fechamento da Porta Santa.

Ao término desta jornada tomo emprestadas as palavras de nosso querido Papa Francisco, na sua homilia, de encerramento do Ano da Misericórdia:

 

“Peçamos, também nós, o dom desta memória aberta e viva. Peçamos a graça de não fechar jamais as portas da reconciliação e do perdão, mas saber ultrapassar o mal e as divergências, abrindo todas as vias possíveis de esperança. Assim como Deus acredita em nós próprios, infinitamente para além dos nossos méritos, assim também nós somos chamados a infundir esperança e a dar uma oportunidade aos outros. Com efeito, embora se feche a Porta Santa, continua sempre escancarada para nós a verdadeira porta da misericórdia que é o Coração de Cristo. Do lado trespassado do Ressuscitado jorram até ao fim dos tempos a misericórdia, a consolação e a esperança. ”

                                                                                                               Ir. Viviana Beatriz


CONGRESSO DA MISERICORDIA

Muitas foram as maneiras que nossa paróquia Santo Antônio de Pádua, de Ibimirim-Pernambuco, encontrou para vivenciar o Ano Jubilar da Misericórdia.

 

Foi um tempo muito proveitoso que finalizou com o I Congresso da Misericórdia. O mesmo aconteceu nos dias 5 e 6 de novembro e teve como tema: “A Misericórdia e o perdão”.

 

A assessoria foi do Padre Clóvis Cabral, jesuíta, que desenvolveu as conferencias a partir do texto bíblico do Filho Pródigo. Lembrando-nos que a mensagem de Lucas no capítulo 15 é uma mensagem de amor, mais não qualquer amor, senão o amor misericordioso, amor extremo/ incondicional/ amor que vai até as entranhas/ dentro da gente, ou seja, faz a gente dar para a outra pessoa tudo o que há dentro nós.

 

Lembrou-nos também que que existem muitas possibilidades para amar. Nós não amamos do mesmo jeito nem com a mesma intensidade. Existem múltiplos jeitos de amar pois nós somos múltiplos e diferentes; cada um de nós é único e irrepetível, tudo que vivemos, nossas escolhas, foram construindo nosso caminho, um modo único de nosso ser. Por isso cada um pode ouvir e extrair  coisas diferentes, escutar, compreender a partir do ponto de vista que é meu. Daí que “todo ponto de vista é a vista de um ponto”. Nunca estou sozinho com meu ponto de vista, ele é um entre muitos, não podemos pensar que o nosso é o  melhor. Então como conviver com o múltiplo com o diferente...na parábola de Lucas podemos encontrar elementos que nos ajudam a caminhar juntos na pluralidade.

Destaco alguns pontos bem trabalhados neste Congresso, a partir da parábola do Filho Pródigo:

 

· O que nos faz ser pessoas é o amor, mais não qualquer amor é o amor misericordioso;

· O amor tem duas forças, uma masculina (rigor/ firmeza) e outra feminina (carinho/ misericórdia);

· O Pai deixa partir, dá liberdade;

· O problema não é pedir a parte da herança, o problema é o que vou fazer com ela. “O mais importante da vida não é aquilo que fizeram comigo,  mas o que vou fazer com aquilo que fizeram de mim” (Jean-Paul Sartre). Dor e sofrimento estão presentes na vida de todas as pessoas, o problema é o que eu faço na  dor e no sofrimento;

· Dar a volta por cima: o jovem reconhece a queda e não desanima “ levanta -se sacode a poeira e dá volta por cima”. Uma pessoa adulta é alguém que faz essa experiência,  sozinho ninguém sobrevive;

· O filho que estava mais longe fisicamente é o que estava mais perto espiritualmente e o filho mais velho, que estava mais perto fisicamente, é o filho que estava mais longe espiritualmente do pai. Amor não é uma questão de proximidade física. Posso estar perto de alguém e não conhecer essa pessoa, não amá-la;

· O amor passa pela matéria, pelo corpo, pela proximidade, pelo físico mais não se esgota nisso pois o mais importante é a profundidade, é o amor de entranhas, amar profundamente sem possuir o outro;

· Devemos ser capazes de ser interpelados pelos pobres “quem me vê, vê o Pai”;

· O perdão é algo fundamental para o ser humano, para se tornar mais humano,  para se tornar uma pessoa madura e equilibrada;

· Para perdoar precisamos aprender a perdoar-nos, cuidar das marcas do passado, deixar o passado para trás. O Pai não pergunta nada, o Pai acolhe, abraça o filho, faz a festa, faz trazer túnica, anel, sandálias. Não há que ter vergonha de quem somos, aceitarmos como somos, para isso precisamos construir espaços de liberdade dentro e fora de nós.

 

O Congresso culminou com a Celebração Eucarística, na qual participaram os congressistas e a comunidade paroquial.

 

Assim encerramos o Ano Jubilar da Misericórdia em nossa paróquia. Por tudo damos graças a Deus!

 

Ir. Viviana Beatriz


SEMANA DA MISERICÓRDIA NO COLÉGIO NOSSA SENHORA DO CARMO DE VIÇOSA

Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom!

Eterna é a sua misericórdia!

(Salmo 118, 29)

Como foi bom sentir e perceber que nossos alunos vivenciaram com tanto gosto e entusiasmo a experiência da Semana da Misericórdia em nosso colégio!

De 16 a 18 de novembro de 2016, quase às vésperas da celebração de fechamento das Portas Santas, em Roma, momento de encerramento do ano jubilar da Misericórdia, instituído pelo Papa Francisco, realizamos, com os alunos, educadores e pais, a vivência de Jesus com suas atitudes de misericórdia, através de encenações, orações e meditação. Com esse fato, procuramos levar cada um a refletir sobre a sua postura de misericórdia no seu dia a dia. 

No primeiro dia, refletimos, a partir da história da mulher adúltera (Jo8, 1-11), sobre o sentido do perdão e do não julgar os outros pelos seus erros – mas ver o outro, que é nosso próximo, como um ser limitado – como nós – e que merece uma nova oportunidade. No segundo dia, meditando sobre as Obras de Misericórdia (Mt 25, 35-45), vimos como deve ser o nosso olhar para o outro que necessita de pequenas atitudes, essenciais para devolver a dignidade e dar sentido ao seu existir. E encerrando a semana, buscamos sentir o grande amor misericordioso de Deus que sempre está a nossa espera, sem se cansar, em nenhum momento, de nos esperar de braços abertos. O texto inspirador foi o da parábola do Pai Misericordioso (Lc15, 11-32). Louvamos e agradecemos a Deus que é em tudo Misericórdia para com todos nós!

Com essa atividade, vemos a grandiosidade de Deus manifestando-se nas atitudes e ensinamentos de Jesus Cristo! E pudemos sentir a alegria de ver nossos alunos participando e rezando com o coração aberto e deixando cair, em seus corações, a semente lançada. Que toda família carmelita, tendo vivenciado toda a experiência dessa semana, possa beber e saciar-se da fonte da Misericórdia no seu dia a dia!

 

Adriano Miguel Silva

Professor de Ensino Religioso


Clínica Móvel

Durante os dias 24 a 02 de dezembro nós, Irmãs Helena e Ideneide juntamente à outros missionários estivemos trabalhando em uma das áreas mais atingidas pelo furacão mathew. Embora já se passara dois meses, a impressão é que foi ontem pois ainda tem muitas coisas devastadas e muitas famílias sem casa, sem comida e com outras necessidades, principalmente de recursos médicos. Éramos um grupos de uns dezoitos a vinte voluntários e atuamos com clínicas móveis. A maratona foi um pouco puxada. Levantávamos às 4:30 e retornávamos já com o tempo escuro. O percurso não era tão fácil. Estradas com muito barro e em alguns lugares intransitáveis tendo que descer e caminhar uns quatro Km carregando os instrumentos de trabalho. Em outras localidades tínhamos que subir no pico da montanha com a estrada cheia de barro e outros momentos muitas pedras e valetas com o espaço somente para um carro. A prece era pra não chover e nem vir outro carro, pois só tem passagem para um carro. De um lado a parede da montanha e do outro um imenso abismo. Com apenas o café da manhã passávamos o dia com alguns biscoitos e os mesmo muitos olhares se voltavam para eles. Não tinha como não partilhar. Em duas comunidades só conseguíamos chegar de barca. Os lugares de atendimento nunca eram iguais, em todos tínhamos que improvisar com lonas, pedaço de zinco, tudo muito precário. Quanto ao povo um descaso total. Um povo esquecido ou, quem sabe pra sociedade eles existem? Tudo lhe é privado o direito a uma moradia digna, a saúde, educação, saneamento básico, e o principal o direito a alimentação. A quantidade de velhinhos doentes sem nenhuma atenção. Todos ainda muito traumatizados com o furacão e com as consequências. Perderam a lavoura, os instrumentos de trabalhos, casas, escolas, tudo. Sem falar nos que se foram. Não tive a oportunidade de conhece-la, mas nesta região de Jeremi, há uma mãe que tentou segurar o seu bebê de todas as formas porém o vento arracou-o dos braços e nunca mais o encontrou. Este e outros relatos são muitos frequentes e eles tem uma necessidade imensa de falar, e pareciam vivenciar tudo novamente. Porém em meio à tudo isso, só temos que agradecer os dias vivenciados com eles tentando ser um sinal de esperança e amenizar algumas dores do corpo e da alma.

 

Irmã Ideneide


PASSEIO COMUNITÁRIO - NA LEVEZA DA FRATERNIDADE
Vamos construindo o caminho da vida. “A hora que se passa nunca mais é revivida”.

Os laços de fraternidade são passos que nos levam à fonte, nos fazem transcender nosso mundinho. Por isso “o passo verdadeiro que se pode dar na vida é criar no coração um amor que dure toda a vida”.

 

Nesta  busca e convicção nossa comunidade de Ibimirim, nos dias 13 a 15 de novembro deste ano,   junto com nosso pároco Pe. Adriano, seu sobrinho e um missionário, vindo da Itália, fomos  ao Ceará,  onde confraternizamos com nossas Irmãs da comunidade Inter Carmelitana  “Fonte de Elias”, de Caririaçu e com a família de  nossa  querida aspirante Cícera Soares.

 

Celebramos junto a muitos romeiros/as a Eucaristia na matriz de Nossa Mãe das Dores.  Visitamos Juazeiro do Norte, percorremos aquela terra do Padre Cicero, Centro de Fé e Romaria. Lá tudo cheira diferente, cheira infinito, cheira Deus. A viagem tanto de ida, como da volta, foi em clima de alegria, da leveza, própria da vivência da fraternidade.

 

São estas experiências que valem a pena lembrar, fazer memória e partilhá-las, porque como diz o poeta:

“Rumoreja a água na fonte

Faz zumbido o vento no mar

Quem não tem de quem se lembrar

Vive como o balanço do mar”

 

 

                                                                                                              Ir. Viviana Beatriz


UMA PROVÍNCIA EM FESTA

No dia 03 de dezembro de 2016, na Igreja Nossa Senhora do Carmo- Lapa/RJ a Congregação das Irmãs Carmelitas da Divina Providência celebraram os vinte e cinco anos de existência da Província Madre Maria das Neves. A Eucaristia foi presidida por Dom Roberto Lopes e concelebrada por Padre Roberto Barbosa de Melo, Frei Carlos Mesters, grande amigo da Congregação e Frei Walter, atual Prior do Convento da Lapa, ambos da Ordem do Carmo.

 

A Igreja da Lapa tem um significado especial porque aqui foi o local escolhido por Rita de Cássia Aguiar  para consagrar sua vida a Deus, aos pobres e enfermos , gerando a Congregação das Irmãs Carmelitas da Divina Providência, no dia 02 de dezembro de 1899. Daí em diante ela passou a se chamar Irmã Maria das Neves.

 

A Celebração marcou um momento de gratidão a invadir sentimento de alegria, lembrando o sentido de solidariedade que nos anima na missão e nos fortalece na vivência fraterna, impulsionando-nos para uma nova travessia, com esperança. Na sua homilia Dom Roberto realçou a necessidade dos operários para a Messe. É sempre menos do que se espera na semeadura da semente da Palavra de Deus, no anúncio do Reino.

 

Estavam presentes grande número das Irmãs da Província, representantes  da Província Madre Bernadete, amigos e amigas. Em nome da CRB do Rio de Janeiro Irmã Eliane Cordeiro veio celebrar conosco. Dessas presenças destacamos a pessoa de Ir. Calixta, eleita a primeira Provincial. Ela nos dirigiu palavras sábias e animadoras, sinal de perseverança  na construção de um momento inédito da Congregação.

 

No ofertório oferecemos simbolicamente um coração com os nomes das Irmãs da Província, pedindo a graça de um coração pulsante de amor como o Coração de Jesus.

No pulsar do coração fizemos uma homenagem à Nossa Senhora, ofertando flores.pedindo a graça da ternura.

 

Pensando na continuidade da Missão passamos a tocha acesa das mãos da Irmã Judith Ferreira para as jovens candidatas Maria Larissa, Michele e Susana.

As Irmãs Dazir da Rocha Campos, Superiora Geral, e Irmã Maria de Fátima de Carvalho, ao final nos dirigiram palavras de agradecimento pela presença de todos e pelo dom que a Província é na vida da Igreja. 

Irmã Marlene Frinhani


Expansão Missionária
A Área Missionária João Paulo II onde vivemos na periferia de Manaus/AM é um grande ASSENTAMENTO surgido nos últimos anos e que se desmembrou das demais áreas do grande Bairro Jorge Teixeira (Região Leste de Manaus) por sua vasta extensão e super população. Por causa do espantoso crescimento e também pelo descaso das autoridades não há infraestrutura para uma vida digna da população: falta rede de esgoto, coleta diária de lixo, água tratada, transporte organizado, condições humanas de sobrevivência! Convivemos diariamente com a violência, roubos, assassinatos, vícios, o maltrato de pessoas e animais, com a total escassez de recursos ambientais... Nossa Igreja Católica (paralela a dezenas de outras Igrejas Evangélicas) acompanha com atenção evangélica este vai e vem da VIDA em nossa Área Missionária tentando ser presença do amor misericordioso do Pai. No bairro temos 6 Comunidades constituídas que caminham com dificuldades mas já com certa visão comunitária; e nos ramais (zona rural) 3 comunidades ainda em processo de formação. Nos últimos tempos um outro enorme ASSENTAMENTO vem surgindo com espantosa velocidade paralelo ao nosso Bairro João Paulo II.  Um grande desafio!!! As Igrejas evangélicas já se adiantaram e têm ai seus precários locais de culto. Nós católicos recentemente conseguimos um terreno para uma futura Capela; vários moradores já se movimentam para conseguir cercar o terreno e em breve iniciar alguma construção para garantir a sua posse. O nome escolhido para o novo e enorme futuro bairro é Coliseu e para a Igreja Católica será Comunidade Nossa Senhora Aparecida. Assim vai se expandindo a missão da Área através de visitas, reuniões, acerto de documentação, celebrações, organização da liderança, cuidado com as pessoas que ali residem precariamente.    Nós Irmãs apoiamos e acompanhamos o trabalho de uma pequena Equipe de Expansão Missionária que apoia as comunidades rurais e agora, a este novo lugar de evangelização.             Que o Deus da Vida nos inspire e nos conduza com sabedoria e Paz nesta nova etapa missionária em Manaus! Ir. Neuza paiva

Cáritas, carícia de Deus a seu povo!

Esta semana, de 9 a 11 de novembro estive em Quito participando da assembleia nacional da Pastoral social Cáritas Equador. Estavam presentes 2 representantes de cada Diocese ou Vicariato, um total de quase 80 pessoas. O tema foi as cáritas paroquiais: no primeiro dia, refletimos sobre a identidade e a espiritualidade que deve mover os corações de todos que somos esta rede de Pastoral social. Devemos ter um amor misericordioso que move as entranhas e socorre o próximo, como o samaritano. O assessor nos fez algumas perguntas como: Que necessidades batem a nossa porta? Que situações de pobreza vimos na última semana? Que sentimos? O que rezamos após esta situação? Que mudamos em nossa vida?

O Monsenhor Júlio Parrilla, apresentou uma análise da Igreja do Equador, com uma presença muito forte ainda de missas e sacramentos, necessitando empenhar-se mais no campo sócio político transformador.

Outro ponto foi como a Cáritas enfrentou o terremoto. Toda a Igreja e outros países se uniram para ajudar. Foi mostrado vídeos de como os missionários, religiosos/as, sacerdotes, foram e estão sendo uma presença de esperança no momento de tanta dor. Através de projetos estão sendo construídas casas de madeira para famílias que ficaram sem nada, muitos continuam vivendo em galpões. As réplicas do terremoto continuam, o povo vive na insegurança.

Retornamos a nossas realidades, sensibilizados e desejosos de nos comprometer cada vez mais com o projeto de Jesus que é vida e justiça para todos.

Irmã Gorete, 

    


Visita ao Abrigo Santa Helena - Juiz de Fora
Tarde inesquecível! Momento filantrópico... Momentos felizes... Momentos tristes... Reflexão! No dia 1º de novembro, vivemos -  a coordenadora Maria Helena Araujo, os professores Ângelo Reis e Marcílio Almeida, alguns alunos do Nono Ano e eu - uma tarde inesquecível no Abrigo Santa Helena. Lá, vimos a alegria no olhar de um idoso, recebendo um singelo abraço, um aperto de mão, um beijo! Além de alimentos, doamos e recebemos amor. Amor através da música e de histórias. Cantamos juntos, contamos e ouvimos histórias de vidas. Histórias que tenho certeza de que nos fizeram refletir sobre a verdadeira importância de nossa vida, de nossos amigos e de nossa família. Precisamos nos permitir e permitir ao próximo a intensidade desses momentos. Por isso, viva você também momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis. Faça algo por alguém próximo a você! John Wesley dizia: "Faça o bem que você puder com todos os recursos que você puder, por todos os meios que você puder, em todos os lugares que você puder, para todas as pessoas que você puder, sempre quando você puder!"  E, inspirado nesse pensamento, mude a vida de alguém que ama, perguntando: "O que posso fazer por você, só por hoje, para tornar o seu dia mais feliz?" Ame sua vida! Ame sua família! Ame seus amigos! Agradecemos especialmente à psicóloga Monalisa e à enfermeira chefe, Michele, que abriram as portas do abrigo e nos guiaram com muita atenção e carinho. Feliz por ser Educador Carmelita, Alexandre Azalim, professor de Matemática.

CARMO DE TERESÓPOLIS AVANÇAM NAS OLIMPIADAS

O Colégio Nossa Senhora do Carmo, visando estimular os alunos ao estudo, à pesquisa e à identificação de talentos e aptidões nas diferentes áreas do conhecimento, apoia, divulga e realiza inscrições em variadas olimpíadas estudantis. Os resultados obtidos comprovam o nível de ensino do Colégio. Neste ano os alunos se destacaram na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica – XIX OBA.

Dentre os alunos que participaram, receberam premiações com medalhas:

·         Nicole Borges Rodrigues – 8º ano do Ensino Fundamental – OURO

·         João Henrique Diniz Paes de Carvalho - 9º ano Ensino Fundamental  - PRATA

·         João Lucas Carvalho da Silva Vieira – 8º ano Ensino Fundamental – PRATA

·         Felipe Braga Gomes – 9º ano Ensino Fundamental – PRATA

·         Lívia Neves da Rosa Granito – 8º ano Ensino Fundamental - PRATA

·         Arthur Alves Barros - 8º ano Ensino Fundamental – Bronze

 

Na Olimpíada Brasileira de Física - OBF, a mais importante do país 08 alunos do Ensino Médio foram aprovados para a segunda fase e os alunos Sylvio Roseno Bulhões e Mariana Reis Rocha Ferreira – 2ª série - foram os que mais se destacaram.

 

Os alunos e professores foram prestigiados com a entrega de medalhas e certificados no Ato Cívico semanal.        Parabenizamos toda a equipe docente, em especial o Professor Antonio Fernandes Ferreira Junior (Ciências e Biologia-UFRuralRJ, Pós graduado Ciências Biológicas UFRJ), pela dedicação e incentivo aos alunos.

 

Ana Clara - (Coordenação Pedagógica)


50 ANOS DA CAPELA

A Capela “Nossa Senhora da Conceição” pertence à Paróquia Nossa Senhora do Sagrado Coração – da Praça Seca está festejando o seu Jubileu de Ouro.  Situa-se na pequena Comunidade da Urucuia, onde há cinquenta anos as Irmãs Carmelitas da Divina Providência iniciaram os trabalhos pastorais e catequese com as crianças. Os padres da Paróquia reformaram e aumentaram a Capela.

Na festa dos 50 anos da Capelinha – no dia 08 de agosto - foram lembrados os Padres, nossas Irmãs e outras pessoas que lá trabalharam: as Irmãs Terezinha Fontes e Minalda que já partiram para o céu. As Irmãs Felícia, Maria José e outras, como também várias pessoas voluntárias da Comunidade.

Nossa Comunidade fundou lá uma Escolinha para crianças de 03 a 06 anos, funcionando em uma sala, anexa à Capela. Trabalhavam na Escola pessoas voluntárias e algumas mães das crianças que lá estudavam.

Mais tarde, surgiram várias dificuldades para a continuidade da Escolinha e nós trouxemos as crianças para o antigo Jardim Escola São José, com 100% de gratuidade, uniformes, material e merenda escolar. Ficaram no Jardim, até o término da Educação Infantil, sendo encaminhadas depois para as Escolas Públicas da Região, porque, na época, não tínhamos o Ensino Fundamental.

Na Santa Missa celebrada pelo Padre Rafael, MSC – algumas pessoas deram depoimentos. Uma senhora agradeceu às Irmãs pelo muito que fizeram pela Comunidade e disse que, na falta de padres, as Irmãs faziam celebrações e distribuíam a Eucaristia.

Representando as Irmãs Carmelitas da Divina Providência, estiveram presentes as Irmãs Célia Maciel e Irmã Felícia – da Comunidade Madre Aparecida.

Obrigada, Senhor, por podermos participar, com o povo carente da Urucuia, da grande alegria do seu Jubileu de Ouro!

 

Pela Comunidade Madre Aparecida,  Irmã Felícia.


A VIDA ACONTECENDO EM ITAMBACURI

  Começamos com a Novena em preparação da Festa de Nossa Senhora do Carmo. É bonito ver o morro que leva ao Abrigo movimentado pelos carros e pessoas a pé para chegar a tempo de rezar o terço, antes de começar a Novena. Ir. Rosário orientou todos os dias e o coral ajudou a criar um clima de oração com muita demonstração de fé. Em algumas noites recebemos a graça da Eucaristia, uma delas foi presidida pelo nosso bispo Dom Aloisio Pena Vitral.

Houve também neste mês o Encontro Vocacional promovido pelos postulantes Capuchinhos. Nós as Irmãs Carmelitas fomos convocadas pelos Capuchinhos a nos integramos neste encontro de grande aceitação dos Jovens, e uma programação intensa foi preparada. Nossas Irmãs Ignez Miriam e  Liene marcaram presença para dar testemunho de Vida Consagrada e Carmelitana para esses jovens, vindos de várias partes dos Municípios vizinhos. A maioria foi motivada pelo convite divulgado através Rádio, e em busca de ouvir o que o Senhor quer de cada um deles. Foi um encontro de escuta, e testemunhos de cada vocação. Nesta oportunidade colocamos o nosso carisma, a nossa Missão e apresentamos material vocacional.

  No dia 18 de setembro com alegria, recebemos em vossa comunidade.

  Irmã Fátima Carvalho- Provincial Irmã Luzinete e Irmã Maria Geralda Rios.

  Foram três dias de alegria e felicidade a presença de nossas Irmãs,

O Abrigo é um espaço acolhedor que recebe vários grupos nos horários em que as crianças estão ausentes.

 

Comunidade Nossa Senhora dos Anjos


Haiti - Ainda há esperança

Imagino que já é do conhecimento de todos, a grande catástrofe que ocorreu no Haiti no período da passagem do furacão Matthew, que passou devastando tudo: árvores, casas, plantações, postes elétricos tornaram-se um nada para ele, infelizmente muitas vidas também se foram. Em Porto Príncipe apenas sentimos o seu reflexo. Mesmo assim fomos surpreendidas por uma ventania tão grande que as árvores pareciam que iam sair pelas raízes. Infelizmente em muitos lugares não só parecia como de fato cidades inteiras foram devastadas pela sua força incontrolável.  Alguns vilarejos foram engolidos pelo mar. Em muitos desses lugares,  Abaku, Jeremi, Corail e Beirot estão presentes missionários brasileiros. Os mesmos ficaram uma semana incomunicáveis. Com isso não sabíamos o que tinha acontecido com eles. Com as estradas interditadas dificultava mais ainda.  Logo que liberaram as estradas, fizemos uma visita fraterna a todos eles. Alguns tão emocionados ainda não conseguiam falar. Em muitos momentos as palavras cessavam e as lágrimas fluíam. Apenas choravam. Além da visita fraterna aos missionários fomos escutar um pouco também quais os maiores clamores do povo, pois os mesmos estavam sem rumo, sem casa, com fome, perderam os poucos animais e plantações, ou seja, perderam tudo. Ao chegarmos em Porto Príncipe nos reunimos aos demais brasileiros para vermos juntos como fazer para chegar aos que mais precisavam. Muitos se encontravam escondidos por trás das montanhas.  Vimos que o mais urgente seria a compra de medicamentos, telhas, comidas e sementes pois muitos vivem da lavoura. Priorizamos, urgentemente, a compra de medicamentos, pois uma epidemia de cólera começou a se alastrar no país aumentando ainda mais o número de mortos. Com as ajudas recebidas, inclusive da nossa Congregação, foi possível comprar uma grande quantidade de medicamentos, e um pouco de alimentos. Irmã Vanderleia e Zenaide, que fazem parte da nossa comunidade, junto a outros missionários, foram liberadas para ficarem duas semanas nestas localidades e fazerem uma espécie de atendimentos ambulantes. A situação do país não está fácil e as resoluções não serão de imediato, porém o que nos alegra são os gestos de solidariedade manifestados de muitas maneiras. Isto nos fortalece, encoraja e não deixa morrer a ESPERANÇA.

Ir.Ideneide – Haiti 


UM DOMINGO DIFERENTE NO MORRO DO CRUZEIRO

E foi mesmo! Desde a sua cuidadosa preparação. Vencendo a resistência dos que noticiavam sobre a violência local; o pároco insistindo sobre a carência, a pobreza material e espiritual dos moradores; quem já conhece a realidade, estimulando a participação. E rezando!

 

Reuniões para congregar, preparar, organizar ações sociais junto com a parte espiritual, angariar doações, confirmar presenças... E rezar!

 

Mais próximo do dia, uma tarde inteira de preparação dos visitadores: oração, reflexão, partilha, organização dos grupos. Em clima de oração!

 

Depois, o mutirão de limpeza do local para as ações coletivas. Muita animação, solidariedade,  removendo a sujeira, organizando com arte o espaço para a oração coletiva e pessoal; para consultas médicas, de enfermagem, com psicólogas, advogados, confissões, corte de cabelo, brinquedos com as crianças. E ainda, refeições dos missionários e voluntários: uma multidão de doadores, voluntários, auxiliares, profissionais nas mais variadas habilidades... e idades.

 

Dia 30 de novembro – A natureza fez a sua parte: dia claro,  brisa amena, o clima, a paisagem vista do alto... belíssimo domingo!

Vão chegando os missionários, voluntários de todas as comunidades da paróquia e de outros locais. Após o café partilhado, a solene Celebração: as orações do envio, a entrega do material; a chamada dos grupos, a unção. “Ide; Eu vos envio!”. Em seguida, cada quarteirão das ruas que sobem e descem as ladeiras do Morro – agora asfaltadas – foi visitado por um ou dois dos pequenos grupos de missionários. Levavam a acolhida da Igreja, a Palavra de Deus, a oração, a bênção; e o convite para participar das atividades  à tarde. As ruas do Morro ficaram coloridas, movimentadas, alegres, abençoadas!

 

E à tarde, após o almoço: no palco improvisado ao ar livre, contadores de história, brincadeiras para as crianças. Lá dentro, Louvor em grupo, Oração pessoal, Confissões, Consultas médicas, de Enfermagem, de Advocacia, Psicologia, corte de cabelo... Num canto, a máquina de “algodão doce” rodava, produzindo nuvens de doçura! E o povo?... Feliz!

 

Tudo se encerrou com a Missa. Muita gente! Missa cuidadosamente preparada. Iniciada solene e ternamente pelas crianças entronizando a imagem da padroeira Nossa Senhora das Graças. Piedosamente presidida por um Pároco que transbordava seu fervor e alegria; e que coroou a ação missionária paroquial com a catequese da homilia, bem preparada, sobre Zaqueu, convertido pelo olhar misericordioso e pela visita salvadora de Jesus.

As Pastorais assumiram fervorosamente, cada uma, sua parte. E a alegria transbordava: do povo visitado, dos missionários gratificados, dos voluntários reconhecidos, da multidão participante!

 

Ao final, os jovens deram seu recado com arte e fervor, encenando: “Todos somos Igreja”.

Fechou, com chave de ouro, o mutirão para organização final do espaço.

E nós, Irmãs, que sonhamos com este dia e dele participamos, recolhemos, no coração agradecido, as palavras de Jesus: “Eu Te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultastes estas coisas aos sábios e entendidos e as revelastes aos pequeninos”! (Lc 10,21)

 

Obra Social São José – Marimbá - Betim


FORMAÇÃO DE FORMADORAS

“Tecer novas vestes para uma nova Vida Religiosa Consagrada”, este é o Tema do nosso curso de formadoras e para ver o novo que está presente em nosso meio, na introdução deste segundo dia de nosso curso, fomos motivadas pelas Irmãs da Província Madre Maria das Neves a olhar e a contemplar alguns temas e figuras da realidade social, política, econômica e religiosa do nosso tempo. Aprofundando na dinâmica, fomos convidadas a caminhar sobre o chão desta realidade composta de dores e alegrias e numa atitude de profunda empatia, nutrimos sentimentos de compaixão e comunhão expressados nas falas e na ciranda dançada ao ritmo do refrão: “O Senhor vai acendendo luzes quando vamos precisando delas”. No simbolismo de pintar nossas mãos nas tintas presentes nas mãos da equipe que animava a dinâmica, reforçou em nós a consciência de nossa responsabilidade em contribuir para que o “novo” aconteça no meio social em que vivemos. Educar o nosso olhar interior para ver os sinais de vida e de esperança numa situação de desafios e desesperança, foi outra lição aprendida. “Ser presença não nos leva à impotência, mas à gratuidade”.

 

Esta dinâmica preparou-nos para vivermos um dia de formação focado em experiências vivenciais e não somente teóricas. Assim, os trabalhos de grupos apresentados ao longo do dia, estimularam-nos a avaliar as nossas relações fraternas e a compreendermos que ajudar a outra a reforçar a auto-estima é um dos requisitos básicos para a construção de uma vivência evangélica onde o “Mandamento antigo e sempre novo”, o amai-vos uns aos outros, fortalece e humaniza as relações fraternas.

 

Ir. Mellina


Igreja equatoriana escuta o povo indígena

Descobrir a semente do verbo na cultura, com amor e simplicidade.

 

Nos dias 21 a 23, reuniram-se aqui em Puyo, os membros da REPAM-Rede eclesial panamazônica. Participaram  representantes de 7 países  que têm região amazônica: Brasil, Peru, Venezuela, Bolívia, Colômbia, Guiana Francesa e Equador, num total de 143 pessoas, dentre eles o cardeal Dom Cláudio Hummes que é o presidente da REPAM, bispos dos Vicariatos da região amazônica daqui, vários religioso/as.

 

Representantes de várias nações indígenas do Equador contaram experiências de sua organização e de como os ancestrais cuidavam da natureza, viviam sua fé e espiritualidade numa relação muito próxima com a natureza. Nas partilhas foi aparecendo o peso da colonização, as formas de dominação e como a Igreja estava presente ora ajudando a libertar, ora impondo uma Igreja europeia sem respeitar as expressões culturais e religiosas dos povos indígenas. Para eles a vida organização e a religião não se separam, Deus está presente em tudo. Refletiu-se a partir de algumas perguntas:  Como seria uma Igreja com rosto indígena? Escutou-se os próprios indígenas: Que respeite sua forma de viver, conservando sua espiritualidade, resgatando sua cultura e língua. Que acompanhe o que já têm e não chegue impondo. Que ajude na defesa da vida e todos nos sintamos missionários cuidando da criação.

 

Um forte grito foi a falta de missionários para acompanhar as comunidades indígenas e ajudar aos jovens que sentem vergonha de suas raízes e já não querem assumir sua cultura.

 

Algumas propostas:

Renovar as lideranças indígenas, sensibilizar os missionários para sentir o sofrimento do povo, dar atenção às problemáticas de terra, exploração petroleira que expulsa o povo do seu território, formar líderes da própria comunidade, instituir ministérios laicos, a Igreja acompanhar as organizações, apoiar os jovens com a arte.

 

Dom Claudio em sua fala, incentivou os participantes a fazerem propostas ousadas ao Papa Francisco, disse que ele quer fazer mudanças mas necessita de propostas escritas e assinadas.

 

Os momentos celebrativos foram muito bonitos, com ritos, símbolos e espiritualidade indígena. No domingo encerrou-se com uma bonita celebração onde fomos enviados/as por representantes de cada nacionalidade e pelo bispo responsável, para levarmos esta boa notícia da REPAM a todos, para que cuidemos com amor  da nossa casa comum.

Irmã Gorete


Experiências Missionárias

Nos quase noves meses em Manaus, são tantas as experiências vividas dentro e fora de nossa Área Missionária João Paulo II e nos âmbitos da Arquidiocese, que nos parece estar vivendo há anos aqui. A mente vai registrando aos poucos as grandes diferenças geográficas, culturais, climáticas...
E o coração vai amando-as e transformando-as, de lições de aprendizagem para compromissos de vida e de MISSÃO!               

Nos dias 17 a 21 de outubro deste 2016, participei da Reunião Ampliada da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e Vida Consagrada, da CNBB (CMOVC) realizada no Centro de Treinamento de Lideres da Arquidiocese de Salvador/Bahia.              
Éramos em torno de 90 participantes: os quatro Bispos referentes dos organismos ligados á CMOVC: Dom Jaime Spengler, Dom José Roberto Fortes Palau, Dom João Francisco Salm, Dom Juarez Souza da Silva, O Secretario Padre Deusmar Jesus da Silva e representantes de todos estes organismos ou seja: CRB Nacional e Regionais, CNIS (Comissão dos Institutos Seculares), PV (Pastoral Vocacional) OSIB (Organização dos Seminários e Institutos do Brasil) CND (Comissão Nacional dos Diáconos)
CNP ( Comissão Nacional dos Présbiteros) IPV (Instituto de Pastoral Vocacional).          

Fui representando a Equipe Regional da CRB do Norte 1 (Manaus e Roraima), da qual faço parte.
Dentro dos 15 anos que acontecem estas reuniões foi a primeira vez que os regionais da CRB e da CNIS foram representados. Até agora apenas a Presidência da CRB Nacional era convocada. Isto nos fez vivenciar concretamente a dimensão eclesial da Vida Consagrada ouvindo, partilhando, sofrendo, nos alegrando e nos preocupando com os destinos da Missão da Igreja no Brasil.   

A reunião foi realizada em clima orante e reflexivo com a Celebração Eucarística diária e a Liturgia das Horas – Laudes, Hora Nona e Vésperas. Contou com uma parte formativa: “A Misericórdia na Visão Bíblica” onde o Biblista, Padre José Otacio apresentou, através de vários textos do AT e NT, a Misericórdia não como um atributo de Deus, mas como a essência de Deus: Deus é a MISERICORDIA. E a partir DELE é que surgem as MEDIAÇOES.  Nos trabalhos de grupos em cada Organismo se pontuaram as diversas mediações desta Misericórdia acentuando–a na formação inicial e permanente dos membros.               

A segunda parte da Reunião foi dedicada à Avaliação através dos Relatórios das Atividades de 2016. E a partir da avaliação foi feito o Planejamento para 2017 com projeção de atividades para os próximos anos: Seminários, Cursos, Sínodos, Assembleias... com escolha de temas, assessores e locais.        

Houve momentos bem desafiadores de reflexão e de posicionamento diante de alguns critérios de discernimento na formação inicial e permanente nos Seminários, nos Institutos, nas casas de Formação das Congregações Religiosas.    A formação em seus diversos níveis e etapas foi a tônica de toda a reunião.        

Além da experiência fraterna e alegre de participação, foi uma riqueza conhecer a dinâmica interna, os desafios, as dificuldades e também os projetos, esperanças e alegrias dos diversos organismos ligados ao CMOVC. Foi um encontro de partilha e de comunhão!            

Irmã Neuza Paiva
Comunidade Missionaria Nossa Senhora do Carmo, Manaus/AM


Sofrer com os que sofrem, sorrir com os que riem

Mais uma vez o mundo inteiro volta o seu olhar para o Haiti. Mas uma vez o País é surpreendido pelos fenômenos misteriosos que a mãe terra guarda dentro de si. Assim o Haiti e alguns países vizinhos foram surpreendidos pelo furacão Mathew, que não tinha como passar despercebido, por sua força incontrolável que devastava tudo que vinha pela frente. Casas, árvores, palmeiras e outros mais, tornavam-se um nada para ele. Levando consigo até mesmo muitas vidas. Assim vilas e famílias foram dizimadas.

 

Em Porto Príncipe, apenas sentimos o seu reflexos, mesmo assim parecia que as árvores iam sacar pelas raízes. Infelizmente em muitos lugares não só parecia como de fato tudo veio ao chão. Em muitas destas localidades estão presentes vários missionários brasileiros que ainda estão abalados com toda esta situação. Quando começam a falar ainda se emocionam muito e as  palavras cessam e as lágrimas fluem. 

 

A sensação é de que tudo está perdido, porém os brotos das bananeiras, e as árvores que conseguiram se erguer, apontando seus tímidos verdes, mostram que ainda há um pavio que fumega e não deixa morrer a esperança. A presença solidária manifestada nas mais variadas formas, fortalece as forças de quem parece ter perdido e mostra que ninguém está sozinho. Muita gente sensibilizada busca ajudar no que é possível. Assim a nossa comunidade religiosa, junto com os Frades Franciscanos visitamos alguns desses religiosos. O sentimento era só de gratidão. Não cessavam de nos agradecer e nas suas partilhas pareciam reviver tudo novamente. O objetivo desta visita, era um gesto solidário e fraterno e ao mesmo tempo buscar perceber quais são as maiores necessidades, que por sinal não são poucas. A falta de água, casas para construir, aumento de epidemias principalmente a cólera, a fome..., tudo isso são ações concretas e urgentes que deve-se tomar para que amenize de imediato o sofrimento do povo.

 

Portanto, nós, como grupos de missionários do Brasil, nos reuniremos e veremos como fazer para que as ajudas possam chegar a quem mais necessita. Com isso fortalecemos a nossa unidade e reacendemos a esperança de que nem tudo está perdido.

 

Lembramos também que nós aqui no Haiti nada faríamos se não fosse a generosidade de muitos brasileiros que não medem esforços de se unirem nesta corrente de solidariedade sobre tudo com os nossos irmãos mais necessitados.

Ir. Ideneide


Meus Votos Perpétuos

"Nada te perturbe, nada te amedronte, tudo passa, a paciência tudo alcança.

A quem tem Deus nada falta, só Deus basta." (Santa Teresa D'Avila)

 

É com imensa alegria que escrevo para falar um pouquinho do que aconteceu em Juiz de Fora/MG, neste sábado dia 15 de outubro de 2016, Festa de Santa Teresa de D’ Ávila. No Anfiteatro Irmã Clotilde, no Colégio do Carmo. Foi celebrada a minha Profissão Perpétua na Congregação das Irmãs Carmelitas da Divina Providência com a presença fraterna de nossas Irmãs vindas de diversas comunidades, da minha família e amigos (de Magé, de Viçosa e daqui de Juiz de Fora), alunos e professores da minha Faculdade e do estágio e de alguns funcionários e professores do próprio Colégio do Carmo.

 

Contamos ainda com a presença amiga do Pe. Ernande Nascimento (Pároco da Igreja Nossa Senhora da Piedade) da minha cidade, Magé, e dos padres José Domício, Gaio e Wellington da Arquidiocese de Juiz de Fora.

 

É difícil colocar no papel tudo o que senti neste momento. Ansiedade? Alegria? Medo? ... mais uma etapa se conclui e outra começa, como tão bem nos falou o Pe. Ernande em sua homilia: “Filha, não pense que com a consagração definitiva tudo acabou, pelo contrario, é agora que começa o verdadeiro desafio, é preciso continuar vigilante, principalmente na oração, na contemplação, na direção espiritual e na confissão...” Deus nos chama a cada passo do caminho e é preciso responder e dizer “sim”, na simplicidade e com rapidez.

 

Agradeço a todos que vieram participar deste momento e por todos aqueles que não puderam estar presentes fisicamente, mas se uniram a nós pela oração. Muito Obrigada a todos pelo carinho, de forma muito especial a minha família, minha comunidade de Juiz de Fora, a Ir. Dazir da Rocha Campos, Superiora Geral, e Ir. Maria Imaculada Resende Pereira, Deus lhes dê em dobro. E Nossa querida Mãe do Carmelo continue a interceder por cada uma de nós.

Irmã Leticia Rodrigues da Silva


LIÇÕES DO RETIRO DE EDUCADORES CARMELITAS

Cataguases, 26 de setembro de 2016

 

Gostaria de compartilhar com todos as valiosas lições que tive nesses dias de estudo e meditação.

Compreendi a importância de darmos uma pausa no turbilhão de desafios e acontecimentos presentes em nosso dia a dia para nos dedicarmos ao diálogo com Deus, pois, é nesse recolhimento, que podemos escapar da rotina profissional e familiar para termos a oportunidade de, através do silêncio e da oração, refletir melhor sobre nossas vidas.

 

Em uma das motivações foi citada a frase do educador Paulo Freire que diz:

“Mulheres e homens se tornam educados à medida que se percebem inacabados.”

Pois bem, percebi que, em boa parte do tempo, estamos preocupados em buscar a realização pessoal, a prosperidade profissional e os bens materiais que a sociedade nos apresenta como comprovantes de sucesso. Nesta busca inacabável, esquecemos de agradecer e contemplar as verdadeiras riquezas que Deus nos proporciona, presentes nas coisas simples.

 

Nesse retiro, pude encontrar um pouco com mim mesmo, reavaliar minhas ações e refletir sobre o que precisa ser mudado. Nesta breve ausência de tudo, pude perceber ainda mais o valor de uma conversa com meus pais, das brincadeiras com a minha filha e do abraço demorado na minha esposa ao começar um novo dia.

 

Tivemos, nesse retiro, o exemplo da história bíblica do irmão mais novo que abandona sua sua família na busca por uma vida de conquistas e acaba, depois de anos, perdendo tudo e voltando para casa com a consciência de que a maior riqueza está bem próxima de nós, na família e nos amigos.

 

Temos que buscar a prosperidade, mas sem nos afogarmos no egoísmo e no egocentrismo, pois, é a dedicação e a doação à família e aos outros que nos aproxima de Deus.

 

São com as sábias palavras de Madre Maria das Neves encerro minhas considerações:

“A vida é curta. Vivamos com a consciência tranquila e teremos o céu perto de nós”

 

 

Prof. Magno Oliveira


"Carmo Voluntário" em visita ao Educandário Dom
Pelo projeto "Carmo Voluntário", três estudantes do 8º ano foram visitar, na tarde de 14 de setembro, o Educandário Dom Silvério, que fica ao lado do Colégio Carmo, em Cataguases. O grupo, acompanhado da professora Luciana Mendonça de Melo, levou para lá os livros da "Biblioteca Itinerante", que vão ficar na instituição por uma semana. Na visita, além de apreciar os livros, as meninas conversaram e jogaram bola com as crianças, conheceram as salas, pátio e a horta do Educandário.
 
Nesta semana, retornamos ao Educandário para acompanhar as atividade de leitura das crianças que ficam no turno da manhã. Em pequenos grupos, elas escolhiam um livro e o dividiam com as colegas, revezando na leitura. Que bom que estão gostando!
 
O Educandário Dom Silvério atende, atualmente, a 104 meninas, que passam meio período do dia lá e o outro período na escola. Oferece reforço pedagógico, atividades recreativas, lúdicas e culturais.
 
Dentre os professores estão voluntários, como a professora da Oficina de Literatura, que é docente no Colégio Carmo, Fabíola, e a professora da Oficina de Canto, Lara, que é estudante do 6º ano do Colégio Carmo. Atualmente, a instituição procura voluntários para as oficinas de Inglês e de Informática, que eram oferecidas em anos anteriores.
 
O Educandário Dom Silvério é uma obra social da Congregação das Irmãs Carmelitas da Divina Providência. Foi fundado em 1912, sempre contando com o auxílio da comunidade local, que faz doações de alimentos e outros materiais. A diretora é a Irmã Auxiliadora Fernandes

RETIRO DAS IRMAS JUBILADAS
UM ENCONTRO COM O PAI MISERICORDIOSO E COM MADRE MARIA  DAS NEVES – PROFETA DA MISERICÓDIA
 
Éramos vinte e cinco Carmelitas da Divina Providência, provenientes das Províncias Madre Maria das Neves, Madre Bernadete e do Regional Divina Providência, reunidas no Seminário da Floresta/JF, de 11 a 17 de setembro, trazendo na bagagem a alegria do reencontro fraterno e o desejo de estar à disposição do Senhor para um encontro profundo com a sua infinita misericórdia. 
 
Este retiro foi oferecido pelo Governo Geral e Provincial, às Irmãs Jubiladas de 25, 50 e 70 anos de consagração e às demais Irmãs que o desejassem.
 
Orientadas por Dom Roberto Lopes, Beneditino, Vigário Episcopal para a Vida Consagrada na Arquidiocese do Rio de Janeiro, fomos convidadas a percorrer o CAMINHO DA MISERICÓRDIA a exemplo de Madre Maria das Neves “Profeta da Misericórdia” e da Virgem Maria. Com seu jeito acolhedor, simples e direto de falar, pouco a pouco, Dom Roberto foi conduzindo o grupo para adentrar-se no silêncio e no tema do retiro. 
 
Ano da Misericórdia, uma oportunidade para rever nossos relacionamentos com Deus e com os irmãos, na oração, na contemplação e no serviço. Como filhas espirituais de Madre Maria das Neves, temos o dever de prolongar no tempo, seu carisma e sermos profetas da misericórdia na Igreja, junto ao povo e em nossas comunidades religiosas.
 
Recordou-nos a finalidade do retiro:
        • Rever a caminhada...
        • Fazer memória...
        • Fazer a experiência de Deus...
        • Reavivar nosso chamado e consagração como Carmelita da Divina providência.
 
E o caminho é o silêncio, para escutar, compreender e seguir com alegria, sem medo o que Deus nos propõe. Dom Roberto insistiu muito na necessidade de rever nossos relacionamentos comunitários, a retomar a cultura da mesa eucarística e da fraternidade, do encontro comunitário; cultivar a alegria de estarmos juntas, de perceber a outra; enfim, a sermos fraternas; Nossa vocação, disse ele, só acontece na oração, na doação e na gratuidade.
 
A figura da mulher na vida de Jesus e na Igreja também foi muito forte no nosso retiro. Começando por Maria, a mãe da Misericórdia, modelo de toda a vida Consagrada, a samaritana e outras. Reacendeu no coração de cada uma de nós o compromisso de divulgar a vida santa de Madre Maria das Neves, que só buscou agradar unicamente a Deus em sua vida. Ela realizou sua obra de joelhos. Era toda de Deus e dos pobres.
Com estes e outros ensinamentos levou-nos a um silêncio fecundo e salutar e, quando nos demos conta, já estava terminando o nosso retiro com o desejo de prolongar no dia a dia, esta experiência do encontro com o Deus das misericórdias.
 
O ponto culminante do nosso retiro foi a celebração Eucarística de Ação de Graças pelas nossas Irmãs jubiladas: Irmãs Hernestina de Oliveira, Arlete Ana Basso, Emília Gonçalves de Oliveira, Carmen de Freitas, Maria do Carmo Moreira da Silva, Wanilde de Mattos, Maria Edwiges Teixeira, Maria de Nossa Senhora da Soledade e Maria Heloísa de Jesus Agonizante . Cantamos rezamos e agradecemos a Deus pela fidelidade e entrega generosa de suas vidas, durante 25, 50 e 70 anos de consagração a Deus, na trilha de Madre Maria das Neves. Foi bonito ver a participação e a alegria de todas. Foi o momento culminante da Ação do Espírito Santo.
 
No domingo, pela manhã, tivemos a celebração da Eucaristia e no final, Dom Roberto fez o envio do grupo: “Vamos, com alegria, retomar o caminho para Jerusalém: nossas comunidades, levando a todos a novidade do Evangelho: Nós vimos o Senhor.
 
Irmã Solange
 

Retiro Carmelitano

“Seguir Jesus Misericordioso, como Carmelita da Divina Providência”

 

De 25 a 30 de agosto, na Comunidade “Madre Bernadete”, em São João del Rei, aconteceu o tradicional “Retiro Carmelitano”, orientado pela nossa Irmã Liza Helena Ramos e com a participação de dezenove Irmãs das Comunidades de Barbacena, Belo Horizonte, Juiz de Fora, Mariana, Marimbá, Viçosa e de São João Del Rei. Irmã Maria Imaculada Resende Pereira, nossa Provincial, fez a abertura do nosso Retiro, exortando-nos a acolhermos este “momento de graça com abertura de coração ao Espírito Santo, que, certamente, reserva graças especiais para cada uma de nós”, e a nossa Superiora Geral, Irmã Dazir da Rocha Campos, fez-se presente neste momento através de um “cartão-mensagem”, estimulando-nos, também, a vivermos esta oportunidade em um “Silêncio Amoroso”. Nossa Irmã Liza conduziu nossas refl exões com simplicidade e com muita sabedoria do Espírito. Foi um Retiro, de fato, “Carmelitano”, em que percorremos o caminho com Elias, Maria, Santa Terezinha, Tito Brandsma e com nossa querida Madre Maria das Neves e nossas primeiras Irmãs. Tínhamos dois encontros por dia: um pela manhã e outro pela tarde para a partilha do grupo. Todos os dias tínhamos a Celebração Eucarística, e dois momentos durante o Retiro foram dedicados à Confissão Individual. O Retiro foi de fato “Momento de Graça, abertura ao Espírito, em um Silêncio Amoroso”! Diante de tantas bênçãos do céu, só podemos cantar alegremente com

Nossa Mãe: Magnifi cat!!!

 

Irmã Maria Inocência de Santa Gertrudes


II Caravana em defesa do Rio Tapajós

Nos dias 27 e 28 de agosto deste 2016, Itaituba-PA recebeu comunidades da nascente à foz do rio Tapajós, dos rios Teles Pires e Jurema, Mato Grosso até seu encontro com o Amazonas, para discutir seu presente e seu futuro.

 

A bacia do Tapajós hoje convive com planos sobre hidrelétricas, portos, hidrovias e mineração, como se seus habitantes não vivessem por cá. Pescadores, barqueiros, garimpeiros, ribeirinhos, indígenas, agricultores, extrativistas, artistas, trabalhadores urbanos e rurais, os povos do Tapajós vocalizam suas necessidades e demandas de desenvolvimento: que priorize a saúde, a educação, a cultura e a relação com o meio ambiente.

 

A Caravana é um encontro para esses povos decidirem metas comuns. "Dar voz a vários grupos de resistência, para unificar as forças em defesa dos povos e do Rio Tapajós. De 80 usinas Hidrelétricas 7 delas estão para serem construídas no Rio tapajós, em Itaituba. Fora o porto que já esta implantado em Miritituba.  Algumas Mineradora já estão causando sérios problemas de destruição e outros males como a prostituição de menores e a violência.

 

Esta Caravana contou com a presença de pessoas de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro Mato Grosso, Amazonas  e Pará. Iniciamos com uma caminhada pelas Ruas da cidade. O Eixo temático foi trabalhado através de grupos e debates, noite cultural com exposições.

No domingo (28) encerramento com o abraço ao rio Tapajós que podemos ver no video: https://www.youtube.com/watch?v=CfgRCd8Meo0

 

Irmã Nelza, CDP


Congresso Eucarístico Nacional em Belém

“Amazônia desdobra o teu braço, para a Pátria em teu seio apertar, 

e o Brasil e o Pará neste abraço oferece a Jesus, sobre o Altar”.

 

Com o coração alegre e agradecido partilho com vocês a BENÇÃO que foi o Congresso Eucarístico Nacional em Belém/Pará nos dias 15 a 21 de agosto deste ano 2016, do qual participamos Irmãs Ana Geralda e Neuza.   

        
Nosso Arcebispo de Manaus, Dom Sérgio Castrianni criou, meses antes, a “Caravana da Fé” que seria composta de 300 pessoas entre Bispos, Sacerdotes, Leigos, Religiosos... em vista da viagem de barco a Belém para participação no Congresso. A partir dai houve encontros de preparação para os “inscritos” e muitas orações e vigílias incentivando a vivência eucarística, rezando pelos peregrinos da Caravana e pelo bom êxito do Congresso.         
O “ENVIO” solene foi na Catedral Nossa Senhora da Conceição, de Manaus no dia 07 de agosto.

A longa e linda viagem de barco começou no dia 13 de agosto e foi um tempo especial de partilha, de convivência fraterna e de profunda espiritualidade. A má acomodação, o dormir em redes, as longas filas para as refeições, os “bate-papos” até alta noite, o vai e vem pelas íngremes escadas do barco e tantas coisas fora de nosso cotidiano não foram NADA se comparados com a maravilha da natureza, dos rios e florestas, povoados e choupanas, plantações de açaí, nascer e por do sol, lua brilhante, céu azul e céu estrelado, embarcações potentes e pequenas canoas..., que contemplamos em todo o percurso da viagem. E a graça de ter cada dia a Eucaristia celebrada por Dom Sergio e outros sacerdotes presentes, a reza do Terço, a Adoração ao Santíssimo e outras atividades religiosas e de lazer inclusive exercícios físicos e massagens orientados por voluntários.  Tudo à nossa disposição e nos tornando mais contemplativos, orantes, fraternos, comprometidos!

 

Na viagem, que durou cinco dias, tivemos duas significativas paradas: na Cidade de Gurupá e em Ponta de Pedra (esta na Ilha de Marajó) onde pernoitamos. Em ambas descemos do barco com o Santíssimo Sacramento e, com o povo do lugar, houve procissão e Missa solene. Foram momentos de forte emoção com a acolhida carinhosa do povo, dos padres, do bispo Dom Teodoro Mendes Tavares. A chegada a Belém foi no dia 17 com o por do sol. Igualmente descemos em procissão com o Santíssimo e, à margem do Rio Guamar, celebramos a chegada com profunda alegria e entusiasmo.  

        

Os cinco dias do Congresso foram vividos bem espontaneamente: cada pessoa ou grupo escolhia as atividades para participar segundo seu interesse e possibilidade. Houve Missa diariamente na Catedral com a presença dos Cardeais, Bispos, Padres e, em cada tarde, a grande Celebração no Estádio Mangueirão com temas específicos e coreografias. Nosso Papa Francisco foi representado pelo Cardeal Dom Claudio Humes que presidiu todas as grandes celebrações no Estádio Mangueirão e algumas na Catedral e, como nosso Papa, foi incisivo nas homilias falando da Eucaristia como DOM, como PARTILHA, como vivência da MISERICORDIA, como compromisso com a VIDA. . .   

     
No fim de semana os Cardeais, Bispos e Padres estiveram espalhados pelas 86 paróquias da Arquidiocese atendendo confissões, visitando doentes e celebrando a Missa com as comunidades: Dia da Misericórdia!

Durante o Congresso houve variadas atividades tais como o “Grito da Amazônia” com a participação de Bispos, Padres, Religiosos, líderes de Movimentos Sociais e representações criativas das muitas formas de sofrimento do povo: trabalho infantil, tráfico de pessoas, causa indígena, poluição dos rios etc.

 
No Hangar – Centro de Convenções de Belém houve diariamente apresentações culturais, shows, Missas em outros ritos, exposições e a grande Feira Católica de Artes. E aconteceu também no Hangar, para as pessoas inscritas antecipadamente, o Simpósio Teológico sobre Eucaristia enfocando dimensões da vivência eucarística na Igreja.
Na Praça da Basílica Nossa Senhora de Nazaré foi a Missa de Encerramento onde se aglomerou uma piedosa e entusiasmada multidão. Em seguida a longa procissão até a Catedral onde houve a Benção Final do CEN 2016.

 

É difícil destacar pontos altos no Congresso, pois todo ele foi celebrado solenemente e ao mesmo tempo com grande participação popular. O conteúdo teve forte acento de compromisso cristão para o qual nos conduz a Eucaristia e como nos interpela e orienta nosso querido Papa Francisco. O destaque seria para a perfeita organização do Congresso coordenada pessoalmente pelo Arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa e a acolhida calorosa do povo paraense e das comunidades eclesiais. 

         

A volta para Manaus da “Caravana da Fé” foi tranquila com outros cinco dias de viagem navegando agora mais pesadamente contra a correnteza dos rios; e sem paradas! Nós peregrinos felizes, fortalecidos e mais EUCARISTICOS! Na memória do coração a forte mensagem cantada todos os dias no Congresso: “É Belém a casa do Pão. É Brasil terra de Santa Cruz. Na Amazônia o Brasil se reúne Eucaristia à MISSÃO nos conduz!

Ir. Neuza Paiva


Encontro Vocacional

Nos dias 19 a 21 de agosto de 2016, em Cataguases, no Educandário Dom Silvério, foi realizado o Encontro Vocacional promovido pela Equipe da Pastoral Vocacional das Irmãs Carmelitas da Divina Providência.

Participaram desse momento 11 jovens vindas de diferentes cidades: Cristina Oliveira, Maria de Lourdes e Rosilene Santos, de Viçosa; Diana Vaz, de Espera Feliz; Graziela Ramos, de Ponte Nova; Larice Justino e Karina Guimarães, de Barbacena; Lara, de Juiz de Fora; Laura Pereira, de Conselheiro Lafaiete; Naiara Reis de Paula Cândido e Rebeca Nogueira, de Tocantins. Atualmente, a maioria, reside em Viçosa como estudante.

Com o tema “Os melhores frutos do Carmelo”, nós pudemos vivenciar durante esses três dias a espiritualidade e o carisma das Carmelitas, conhecendo um pouco sobre a história da família de Madre Maria das Neves. Através dos momentos de oração e das partilhas pudemos amadurecer no processo de discernimento vocacional e do autoconhecimento.

Durante o encontro, refletimos e partilhamos sobre a missão de Jesus, a maneira com que Ele realizou o plano de Deus com suas ações. Refletimos sobre o lugar de Maria no Carmelo e a relaçãodas Carmelitas com Nossa Senhora. Também, foram apresentados e refletidos os aspectos peculiares da Espiritualidade Carmelitana e o inspirador da ordem do Carmo, Elias.

Vivenciamos momentos de fraternidade e alegria em que nós, jovens, compreendemos a entrega feliz das Irmãs pela causa de Deus através de seus testemunhos. Tivemos a oportunidade de visitar a Comunidade do Carmo, o Memorial das Carmelitas e a Cripta de Madre Maria das Neves na Capela Nossa Senhora do Carmo, ao lado do Colégio do Carmo.

Participamos da celebração do dia do Senhor e a Solenidade da Assunção de Maria ao céu comemorando com a comunidade o dia da Vida Religiosa Consagrada.

Manifestamos aqui o nosso sincero agradecimento a toda equipe de Irmãs que nos proporcionaram esses dias de alegria, partilha, acolhida, oração e principalmente fortalecimento espiritual.

Karina Guimarães e Naiara Reis - Vocacionadas


Centenário do poeta Manoel de Barros

“Quando as aves falam com as pedras e as rãs com as águas, é de poesia que estão falando.” Para homenagear o ilustre autor deste verso, que completaria 100 anos em 2016, o Colégio Carmo de Cataguases promoveu o “Sarau Literário Centenário do Poeta Manoel de Barros”. O projeto foi apresentado ontem à noite pelos estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental, no pavilhão de eventos da escola.

 

“O sarau oferece aos alunos a possibilidade de tomar contato com o universo criativo de determinado autor, cuja importância seja consagrada no mundo literário. O poeta Manoel de Barros, falecido em 2014, aos 97 anos, foi o escolhido deste ano, em que se comemora o seu centenário”, explicou a professora de Literatura do 5º ano, Denise de Fátima Mathias.

 

Nascido em Cuiabá, MS, Manoel de Barros transformou em versos suas memórias de menino que vivia numa fazenda no Pantanal, resgatando a pureza do olhar da criança diante da natureza e do mundo. Recebeu vários prêmios literários, entre eles, dois Prêmios Jabutis. É um dos mais aclamados poetas brasileiros da contemporaneidade.

 

Além de apresentar a biografia do autor e recitar seus poemas, as crianças cantaram seus versos, que foram musicados por Márcio de Camillo no CD Crianceiras. Dentre as poesias escolhidas estão “Autorretrato falado”, “Mundo pequeno”, “Infantil”, “De passarinhos”, “O menino que carregava água na peneira” e “O apanhador de desperdícios”. No repertório musical, sob orientação e acompanhamento do professor de Música Júnio César de Souza, as canções “Bernardo”, “O menino e o rio”, “A rã”, “Rosa Vermelha”, “O idioma das árvores”, “Sombra boa” e “Um bem-te-vi”.

 

Feliz ao assistir à culminância deste projeto, que foi apresentado aos familiares e amigos dos estudantes, a Diretora Administrativa do Carmo, Irmã Dahlia Resende, afirmou: "O sarau foi um sucesso. Os alunos brilharam. Parabéns às professoras da classe e a todos que se empenharam para o êxito do evento, muito bem preparado."

 

Luciana Mendonça de Melo


Despedida e Entrega da cruz missionária de Puyo

Parece que foi ontem que recebemos a cruz missionária das mãos do Bispo de Tena, no encerramento da nossa Assembleia Geral, em 31 de junho. E depois, com solene peregrinação a levamos para a Catedral, para agradecer a Deus nosso novo plano pastoral missionário.  Hoje, quando iniciamos o mês de agosto, entregamos a cruz missionária a nossa irmã Igreja de Macas, nas mãos do Bispo Mons. Néstor Montes de Oca.

A passagem da cruz por nossas paróquias foi uma manifestação do amor de Deus, que, a partir da cruz, desperta em nós o espírito missionário, fazendo arder em nossos corações a paixão apostólica que grandes missionários, como São Francisco Xavier nos ensinam, sabendo que não podemos ficar apenas como meros expectadores de tantos irmãos que caminham com sua cruz às costas estendendo suas mãos, solicitando nossa solidariedade e companhia.     

Nosso mundo, dizíamos, necessita de novos cireneus que ajudem a seus irmãos a seguir até o calvário, desafiando a dor e a fadiga, novos samaritanos que levantem do caminho a tantos próximos caídos, despojados de sua dignidade, feridos, marginalizados pela injustiça e egoísmo.

Jesus, a partir da cruz, continua fazendo dela, a cruz, o lugar de encontro, cruz que cura, que consola, que fortalece, que purifica, que salva. Sinal de bênção.  

Esta cruz peregrina, vinda da Bolívia, nos prepara para o próximo Encontro Continental Missionário, que será na Bolívia em 2018.

Hoje, o povo fiel, com alegria e fé, celebrou esta festa missionária da entrega. Muitos vieram de longe. Mais de uma dezena de sacerdotes concelebraram com seus bispos de Puyo e Macas o grande momento eucarístico. Missionários/as consagradas/os e leigos, vindos de várias paroquias se fizeram presentes juntamente com os anfitriões de Chuvitayu que prepararam com todo carinho esta festa.

Terminada a celebração da Eucaristia, a cruz se pôs a caminho, depois que o bispo de Puyo a entregou ao bispo de Macas. Na porta da capela, um grupo de jovens Chuar fizeram uma dança em frente a cruz, antes de iniciarem a viagem até Macas.

A despedida se fez com cantos e aplausos de todos os presentes, que regressaram a suas casas com uma grande lição: ser profetas de Deus neste mundo e missionários solidários comprometidos a serem os novos missionários de que a nossa Igreja necessita. A Cruz avança pela Amazônia abrindo caminhos e deixando pegadas de santidade e um respaldo ao nosso projeto pastoral das Santas Missões Populares.

Mons. Rafael Cob Garcia,

Bispo do Vicariato Apostólico de Puyo-Equador.

(tradução livre: Ir. Dazir)

Pode-se ampliar as fotos com um clik.


Texto Sedução

Compartilho um texto que eu fiz falando sobre a sedução que o amor de Deus exerce sobre nós. Esse texto me veio ao coração em um momento de oração pessoal.

 

Sedução

Quem é o meu amado? É aquele que me seduziu! A sedução foi tamanha que eu não resisti! Não precisou muitas cantadas pra entregar-me a Ele; pois seu jeito de Amar realmente me fascinou. Não sei ao certo a cor dos seus olhos, da sua pele, dos seus cabelos, não sei sua altura; sei apenas que o amo e que por Ele sou amada.

A cada desafio, Ele me lança para frente, dando-me a coragem necessária para viver e tirar lições de vida dos desafios. O compasso da sua respiração é o compasso da minha, pois em um gesto de amor único me alimento Dele e Ele passa a ser eu.

A cada encontro nosso; meu coração grita insistentemente como o coração do profeta Jeremias: “Seduziste-me Senhor e eu me deixei seduzir”. E como o profeta, grito que a luta foi desigual, porque fui seduzida ainda no ventre materno. Não grito a desigualdade da luta porque acho ruim a sedução, grito porque às vezes meu coração parece ser pequeno demais pra acolher todo amor que Ele me devota.

Não pense você que nosso amor é um amor meloso, pelo contrário brigamos muito, quase sempre discordo Dele e por vezes quero até me afastar um pouco Dele, mas como me fechar a um amor que me seduziu ainda no ventre de minha mãe? Como caminhar sem Aquele que deu a vida por mim? Como respirar sem sentir o compasso da respiração Dele? Jacó discordou lutou e saiu ferido, também eu saio ferida destes momentos, mas Ele mesmo me cura quando na forma de um Maná substancioso alimenta meu coração e assim mais uma vez me sinto seduzida.

Em minha caminhada Ele está sempre presente. Quando erro, Ele me diz “Quem não tiver pecado atire a primeira pedra”. Quando estou agitada, Ele diz “... uma só coisa é necessária”. Quando estou desanimada, Ele diz “se tiveres fé, poderás transportar esta montanha”. Quando estou sem esperança, Ele diz “avance para águas mais profundas”. Quando estou sedenta, Ele me oferece a água viva. “Quando me distancio, Ele sai à minha procura, quando volto, Ele me prepara uma festa e quando estou triste, Ele me oferece a alegria da sua Ressurreição”.

É assim Aquele que me seduziu. Ele é o puro Amor é o Amor Ágape. É Aquele que ama simplesmente por Amar, não tem interesses, sua natureza é Amar. Por Amor Ele criou o universo, os planetas; criou a terra e o que nela existe, criou o mar e o que nele existe. Criou o homem e por amor ofereceu a própria vida para resgatar a vida do homem. Por Amor quis se dar em Alimento para permanecer sempre com o homem.

Fui seduzida não por uma maneira de amar, mas pelo próprio Amor, o Amor concreto que ao longo da história foi se revelando ao homem, o Amor que em um determinado tempo nasceu na história, viveu como um de nós, Amor que quis nos ensinar por onde o nosso amor deve caminhar.

E fico mais seduzida ainda porque Ele não levou em conta nossa incapacidade de compreensão e compreendeu nossa fraqueza e quis permanecer conosco na forma de Pão e Vinho. Como não ser seduzida por um Amor tão grande? É a este Amor que me entrego para que este mesmo Amor me consagre.

E na escola deste Amor vou tentando deixar-me modelar por Ele, para que seduzida por este Amor ágape eu possa ser uma pessoa cada vez mais integrada e no fundo do meu ser deixar fluir também um Amor Ágape.

Seduziste-me Senhor e eu me deixei seduzir!

Karina Guimarães da Silva

 

 


MENSAGEM FINAL DA XXIV ASSEMBLEIA GERAL

“VIDA RELGIOSA CONSAGRADA EM PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO”

“Vejam que estou fazendo uma coisa nova...” (Is 43,19).

 

O Deus trindade e comunhão nos reuniu como Consagradas e Consagrados na XXIV Assembleia Geral Eletiva da Conferência Nacional dos Religiosos do Brasil, realizada em Brasília de 11 a 15 de julho de 2016, com o tema: “Vida Religiosa Consagrada em processo de transformação” e o lema: “Eis que estou fazendo uma coisa nova” (Isaías 43,19). Somos aproximadamente 500 participantes vindos/as de todos os lugares do Brasil, representantes de outros continentes e de Institutos Religiosos Seculares. Vivenciamos os diferentes carismas, etnias e culturas, em comunhão com a Confederação Caribenha e Latino Americana de Religiosas/os (CLAR) e em profundo agradecimento pelo tesouro que a Vida Religiosa Consagrada representa para a Igreja e para o mundo, como nos diz o Papa Francisco.

A partir do que vimos e ouvimos, sentimos o imperativo exigente de uma profunda reforma da Igreja no centro da consciência do Povo de Deus, povo universal, chamado a chegar até os extremos confins da Família Humana. Essa reforma quer traduzir no hoje o coração pulsante do Evangelho de Jesus, na força do Espírito Santo e no discernimento dos sinais dos tempos. Também para a Vida Religiosa Consagrada urge acontecer uma profunda reforma a fim de continuar sendo sinal e profecia no mundo de hoje, caminhando junto, testemunhando a verdade com a caridade e assumindo o diálogo como caminho da evangelização.

Com o profeta ousamos sonhar e alimentar nossa esperança. No entanto, junto com a humanidade, a sociedade e a Igreja, também a Vida Religiosa Consagrada se encontra numa encruzilhada. Precisamos fazer memória do passado, viver com novo encantamento o momento presente e avançar. A crise em que vivemos é oportunidade de construção de novos horizontes e de fortalecimento de nossa identidade, de crescimento na intercongregacionalidade e de atitudes mais ousadas.

“Eis que estou fazendo uma coisa nova: ela está brotando e vocês não percebem?” (Is 43,19). O protagonista da missão é Deus, toda a ação salvadora vem dele. Quem cria a coisa nova entre nós é

Deus, somos seus colaboradores (cf. I Cor. 3,9). Nossos caminhos, instituições e estruturas são meios, não são o centro nem têm fim em si mesmos. O Papa Francisco nos lembra de que não devemos ter medo de deixar os odres velhos, de renovar os hábitos e estruturas que na Vida Consagrada já não respondem ao que Deus nos pede hoje para fazer avançar o Reino de Deus no mundo.

É preciso despertar uma Vida Religiosa Consagrada que testemunhe a alegria e a liberdade do Evangelho, frente à complexidade do mundo atual. Para isso se faz necessário:

·         Voltar à primazia do Evangelho, redescobrindo a importância do silêncio e da mística na escuta da Palavra, tendo o mistério de Jesus Cristo como fonte inspiradora de nossa consagração que aponta para a missão e não para uma obsessão de sobrevivência.

·         Resgatar a vida fraterna como caminho de seguimento em toda a sua dimensão humana e humanizadora. O anúncio da Boa Nova jamais acontece de mão única, mas sempre na reciprocidade da relação: precisamos aprender a nos dar, mas também a receber dos outros.

·         Incentivar uma Vida Religiosa Consagrada em saída, a partir dos nossos Carismas Fundacionais, que nos impulsione a um compromisso profético mais além de nossas fronteiras. A experiência missionária é sempre marcada pela itinerância, despojamento, leveza e provisoriedade. Vivenciamos em nossa assembleia o envio de quatro religiosas para a missão intercongregacional na Diocese de Pemba – Moçambique.

·         Reavivar a proximidade e o encontro com as Novas Gerações e as juventudes de nosso tempo através de processos formativos humanizadores e conectados com os debates de hoje, de maneira que encontrem na Vida Religiosa Consagrada mulheres e homens como irmãs e irmãos de caminhada.

·         Reafirmar a opção preferencial pelos pobres através da solidariedade e reaproximação com um estilo de vida simples e austera, comprometida com as causas sociais, engajada nas lutas em defesa dos direitos, da dignidade e da vida para todos, promovendo a participação política e colocando-nos ao lado dos grupos humanos mais vulneráveis, como os migrantes, os refugiados, as vítimas do tráfico humano, os afrodescendentes, os povos indígenas, entre outros.

·         Promover uma ecologia integral que brote de uma paixão pelo cuidado da Casa Comum e se alimente de uma espiritualidade que propõe um crescimento na humildade sadia e uma sobriedade feliz. (Cf. LS 222). Desta forma, encontramos a presença e a ação de Deus em todas as criaturas, e “juntamente a todas as criaturas caminhamos nesta terra a procura de Deus” (LS 244).

Confiantes na ação do Espírito, que faz brotar coisas novas, e na presença de Maria, que nos contagia com sua gratuidade e prontidão, saiamos depressa como Vida Religiosa Consagrada ao encontro dos pobres, cuidando da vida e anunciando o Reino.

Brasília, 15 de julho de 2016.


Festa em Manaus - Festa no coração!

Emocionante e Inesquecível a festa de Nossa Senhora do Carmo.            

Além da novena de preparação feita na simplicidade e no aconchego de nossa comunidade, tivemos dois dias de pura emoção com o povo.           
O dia 16, sábado, foi na Paroquia Nossa Senhora do Carmo no Bairro Raiz, zona sul de Manaus. O Padre Sadi e o povo nos acolheram como se fôssemos do lugar. Procissão e Missa com nossos conhecidos cantos carmelitanos e a oportunidade de falarmos de nossa Missão e renovar ali o compromisso dos votos. Foi apoteótica a homenagem a Nossa Senhora do Carmo e impressionante a piedade, a alegria e a simplicidade da multidão que rezava, silenciava, aplaudia... se comprometia com a Vida!

No domingo a festa foi na nossa Área Missionária João Paulo II, na Comunidade Cristo Rei. Tudo bem preparado, ornamentado e, para nossa surpresa, fomos agraciadas com cantos carmelitanos carinhosamente ensaiados por um grupo de jovens. Padre Teodoro nos acolheu e, em vários momentos da Missa, nos incentivou na Missão acolhendo com simplicidade e alegria a renovação do compromisso dos Votos que fizemos pela segunda vez nesta grande festa de Nossa Senhora do Carmo.
No final da Missa homenagens e entrega de um lindo bolo de PARABÉNS! E a confraternização de toda a equipe de Missão da Área Missionária.

Para nós, Irmãs, esta festa foi especialmente uma festa no coração e intensificou em nós a alegria de Ser Carmelita e de estar a serviço da Igreja de Jesus Cristo na Arquidiocese de Manaus.

Ir. Neuza Paiva


CAMPANHA JOGUE A FAVOR DA VIDA

A Coordenadora da rede UM GRITO PELA VIDA, Irmã Eurides Alves de Oliveira, Religiosa da Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria, esteve com o núcleo da CRB/RJ, no lançamento da campanha “Jogue a Favor da Vida”. Com os objetivos de PREVENIR,ALERTAR eENFRENTAR o tráfico de pessoas, o pontapé inicial da campanha ocorreu no dia 31 de maio, no Corcovado, aos pés do Cristo Redentor. O evento contou com apresentação de dados sobre a realidade que envolve o tráfico de pessoas e com o depoimento de uma mulher traficada. Na divulgação da mensagem foram utilizados cartazes, distribuição de panfletos e apresentação cultural com danças e músicas. Tudo aconteceu no período da manhã e a atividade teve ampla cobertura da mídia e total envolvimento dos turistas que mesmo estando a passeio, captaram a mensagem e participaram conosco desse momento celebrativo e questionador quanto a situação de milhares de pessoas que hoje, ainda são traficadas.

 

Segundo o Ministério da Justiça, o desconhecimento da população sobre a realidade do Tráfico de Pessoas, e a pouca divulgação pela grande imprensa, colaboram para que crimes desta natureza passem despercebidos pela sociedade. Isso facilita a atuação dos aliciadores e torna as vítimas presas fáceis de falsas promessas que oferecem emprego digno e uma vida melhor, seja no exterior ou em alguma outra região do país, avaliada como mais promissora.

 

Por ocasião das Olimpíadas que serão realizadas no Rio de Janeiro, os movimentos sociais e as organizaçõescomprometidas no enfrentamento à exploração sexual e o tráfico de pessoas, em suas diferentes modalidades, estão prevendo e chamando a atenção para o aumento do riscode quemeninas/os adolescentes e mulheres, além de outras minorias, sejam abusadas sexualmente, e/ou traficadas/os para a exploração sexual e/ou laboral, para a mendicância ou casamento servil. É neste contexto que se insere a Campanha “Jogue a Favor da Vida”.

 

“Somos chamadas/os a

denunciar e combater

por meio de ações que

contribuam para tornar a

sociedade  mais consciente

deste desafio”.

(Ir. Eurides)

 

Faz-se necessário uma tomada de responsabilidade comum e uma vontade política mais forte para enfrentar esta realidade.

 

A campanhaJogue a Favor da Vida pretende ser um

chamadopara que toda a sociedade atente para esta

realidade de intervenção social e umconvite para

romper a indiferença e unir forças.


Mas, afinal: O QUE É A REDE UM GRITO PELA VIDA? É um projeto da CRB Nacional e está presente em quase todo o território nacional. Constitui-se como uma rede intercongregacional de enfrentamento ao tráfico de pessoas. Tem por missão, sensibilizar, informar, denunciar, tecer parcerias e lutar por políticas públicas em prol da prevenção e enfrentamento ao tráfico de pessoas. Segue a mística inspirada no projeto de Jesus, nos carismas fundacionais, na indignação profética, na compaixão samaritana, na defesa dos Direitos Humanos e na certeza de que um mundo melhor é possível.

(dados retirados do site <http://gritopelavida.blogspot.com.br>, em 05/06/2016.)


SIMPLESMENTE MULHERES!

 

Aconteceu em Brasília, no Centro de Convenções Ulisses Guimarães, de 10 a 12 de maio deste ano, a 4Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, organizada pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres(SPM). Na mesa de abertura apresidentaDilma Roussself,falou sobre as ações do seu governo realizadas por meio do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos, hoje instinto pelo atual governo.

 

Com o tema: “Mais direitos, participação e poder para as mulheres”, aconferênciacontou comrepresentantesvindas/osde todos osEstadose Distrito Federal.Apreparaçãoteve inícioem 2015 com as conferências municipais e estaduais. Segundo informações da SPM, todo o processo mobilizou diretamente mais de 100 mil pessoas no debate. Além da realização de consultas que garantiram a participação com grupos que ainda encontram maior dificuldade de acesso e expressão, tais como: ciganas, mulheres com deficiência, indígenas, quilombolas e transsexuais.As meninas adolescentes também foram ouvidas em uma pré-conferência específica que ocorreu no Maranhão onde foram debatidos temas como pedofilia, abuso sexual, sexualidade e violência de gênero.

 

Questões da atualidade que perpassam o nosso cotidiano, invadem os noticiários e continuam sendo tratadas como assunto secundárioe, comocoisa de mulheres,constaram na pauta para garantir mais direitos e menos discriminação e preconceito.Haja vista, a discussão atual sobre a cultura do estupro em nossa sociedade.

 

E, em meio aos acontecimentos que paralelamente aconteciam em Brasília, no Senado Federal, que resultou no afastamento da Presidenta Dilma, as conferencistas se uniram aos demais movimentos sociais para gritar a favor da democracia, culminando com um ato público e muitas moções de repudio ao golpe e ao novo governo machista que se estabeleceu em nosso país. Tive a oportunidade de participar das manifestações e fui à Conferência como delegada, representando a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social do Rio de Janeiro, onde trabalho como Assistente Social. Essa experiência somada a tantas outras em prol da vida e defesa de direitos tem me levado a refletir e a agradecer a Deus por estar neste lugar de missão.

Lucia Helena Torres de Lima


Experiência sobre Intercongregacionalidade - Hait

Partindo do pressuposto de que a essência da Igreja é a missão, a VRC busca corresponder a este apelo tendo como centro a pessoa e a missão de Jesus Cristo. Através dos carismas e espiritualidades, cada Instituto busca ser um símbolo luminoso do Reino de Deus, principalmente lá onde a vida é mais ameaçada. Por isso a missão da VRC é ser sinal de esperança e testemunho da presença do Cristo Ressuscitado no meio do povo.

Os desafios são grandes por isso, na tentativa de corresponder aos apelos missionários da Igreja, sobretudo de se fazer presente no meio dos mais pobres, a VRC utiliza- se das mais variadas criatividades para manter viva a chama do carisma e da missão, principalmente por que o atual cenário da VRC é assustador.

Com a diminuição das vocações e o envelhecimento das Irmãs, são notórios alguns desafios, principalmente a dificuldade de Irmãs para assumirem os próprios trabalhos dos seus Institutos. Alguns passos já começaram a ser dados para não deixar morrer a brasa que ainda fumega. Dentre estas tentativas, nasce as experiências das comunidades Inter congregacionais. Este novo rosto criativo da vida religiosa reacende o dinamismo e o ardor apostólico, onde a diversidade dos carismas se multiplica e ganham força em vista de um bem maior, que é o seguimento à Jesus Cristo e ao seu projeto “eu vim para que todos tenha vida e a tenham em abundancia” ( Jo 10,10)

Sou grata a Deus de participar desta experiência da comunidade Intercongregacional aqui no Haiti, coordenada pela CRB (Conferencia dos Religiosos do Brasil e CNBB – Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil). Através desta experiência Deus tem realizado maravilhas em minha vida.  No principio a insegurança e a incerteza me impedia de dar passos, pois, sempre me vinha o medo de me perder em meio aos outros  carismas, assim como o  desafio de  conviver  com o diferente. Tudo parecia desestabilizar-me, porém, percebi que o meu ideal conjugava aos demais desejos das outras Irmãs: a Paixão por Jesus Cristo e a paixão também pelos pobres tão sofridos do Haiti. Pode-se dizer que esta é a âncora que sempre nos sustenta e nos ajuda à superar muitas dificuldades e desafios que surgem no decorrer da nossa caminhada. Com o olhar fixo em Jesus, centrando nossa missão ao seu Projeto de vida, foi possível não nos perdemos no entrelaçar da caminhada.

 Escolhemos como símbolo para a nossa comunidade Intercongregacional  a mandala, pois ela expressa a integração e harmonia e a sua vivacidade está nas riquezas das combinações e sintonia das cores, onde cada uma, na sua originalidade, forma um conjunto de cores. Assim também, deve ser a comunidade Intercongregacional onde os carismas não funcionam isoladamente; pelo contrário, a união e a soma dos mesmos fortalecem a comunidade e a torna testemunha mais autentica  do Reino de Deus.  Outra característica da mandala é que ela geralmente é circular e tem um centro que é o ponto de partida. Assim também é nossa Comunidade Intercongregacional:  Nosso ponto de partida é Jesus Cristo  e sua opção preferencial pelos pobres. Sem este referencial a Comunidade se torna vazia e pode se transformar numa possível torre de babel, onde os carismas e anseios se perdem e as palavras se tornam vazias.

Mas é importante também lembrar que, o que sustenta uma comunidade Intercongregacional é a oração pessoal e comunitária, a vida fraterna, a ajuda e o respeito mútuo, a capacidade de acolher o diferente e principalmente a integração interior, onde sou capaz de reconhecer os valores e princípios que cada uma traz e saber somar também as riquezas de cada Instituto e unificar no bem maior, que é a promoção da vida. Só assim é possível viver um novo céu e uma nova terra.

 

Irmã Ideneide do Rego  – Carmelita da Divina Providência


Festa Junina no Carmo São José

Festa Junina! As bandeirinhas coloridas vão dando um toque especial de alegria na nossa escola. Essa festa de origem católica, que surgiu nos países europeus para comemorar os dias de Santo Antônio, São João e São Pedro, foi ao longo dos anos se “abrasileirando” e, hoje, já faz parte integralmente da nossa tradição popular.

      Nossa Festa Junina se realizou no dia 11/06 e foi o maior sucesso!

     Tivemos muitas barracas de comidas típicas, bebidas e de brincadeiras: bola na lata, jogo de argolas, pescaria e também um “pula pula” armado, onde as crianças se divertirem muito. Proporcionamos várias brincadeiras entre alunos de todas as idades, como a corrida do saco, a do ovo na colher, estátua, dança das cadeiras, entre outras.

     Grande parte das prendas foram doadas pelas famílias, através de uma gincana entre turmas de cada segmento. Assim, o que seria uma “competição”, virou cooperação e colaboração. As turmas vencedoras ganharão uma tarde bem animada na escola, com lanche e atração especial.

      As crianças se apresentaram com diferentes gêneros musicais do cancioneiro junino, como forró, xote, carimbó, sertanejo, entre outros, além das quadrilhas. Todos vestidos a caráter: de modo tradicional, moderno ou com caipiras customizadas.

       "Olha a cobra... é mentira!!!" Essa chamada ficou marcada na memória de todos aqueles que vivenciaram uma dança de quadrilha, na infância. Impressionante como esta dança arranca o fôlego dos que assistem e dos que dela participam. E é isso que queremos proporcionar para os nossos alunos... um gostoso resgate das festas interioranas.

      Fizemos três quadrilhas: a tradicional, para os alunos do 4º e 5º anos; a “mix”, construída pelos alunos do 6º ao 9º, com a compilação de diversos sucessos musicais; e a improvisada (sem ensaio), para pais, professores e toda a equipe de profissionais do Carmo.

     A festa estava especialmente decorada, com revelação de grandes artistas – os nossos professores, que fizeram a diferença no trabalho de equipe.Reaproveitamos muito material, reutilizamos sucata e incentivamos a confecção de roupas típicas a partir do que já se tinha em casa. Assim,  apoiamos o consumo sustentável em todas as oportunidades educativas, conscientizando cada vez mais os nossos alunos da necessidade de mudarmos nossas atitudes para salvar o planeta.

    Consideramos este evento muito importante, porque ao retomar a tradição das festas juninas, resgatamos a nossa cultura popular.

      Fizemos tudo com muito carinho e por isso, o retorno foi maravilhoso – carinhas felizes, descontração e muita diversão!!!

                                                                                                                 Karen Rocha

Diretora Pedagógica

Colégio Carmo de São José


ENCONTRO DE EDUCADORES DO ENSINO FUNDAMENTAL I

PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL I,

COORDENADORAS PEDAGÓGICAS E DIRETORAS

VIÇOSA/MG

 

No dia 18 de junho de 2016, aconteceu, no Carmo de Viçosa, MG, o Encontro de Educadores Carmelitas do Ensino Fundamental I dos Colégios da Congregação das Irmãs Carmelitas da Divina Providência.

O encontro teve a presença de Priscila Bandini, formadora do Grupo Mathema, que possibilitou o entendimento do trabalho com a Matemática e a situação problema; de Guilhermina Jardim,  pós-graduada em leitura e em produção textual, especialista em Linguística e Análise do discurso, a qual fez orientações sobre as Habilidades e as Competências no ensino; de AndressaSarsur, formada em Letras pela UFMG, com mestrado em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da UFMG, e de Ana Guedes, Pedagoga e Relações Públicas, graduada pelo Unicentro Newton Paiva e pós-graduada em Gestão Escolar pela PUC Minas, que trouxeram alguns exemplos das práticas e docência em movimento.

Concluímos o encontro com reflexões e com sugestões concretas para a criatividade na escola com Bianca Pena Sollero Sampaio,Arte-educadora, Psicóloga, Arte-terapeuta e consultora em Educação Criativa.

O grupo se manifestou com muita alegria e descontração nos momentos formativos e com a possibilidade da convivência enriquecedora entre todos. 

 

Ana Cristina Fonseca de Souza Barbosa

Coordenadora Pedagógica do Ensino Fundamental I e II –

Carmo de Viçosa

 

 


IV ENCONTRO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
Com a graça de Nosso Senhor aconteceu o VI Encontro de Assistência Social nos dias 26 a 28/05 em Belo Horizonte. Para este ano tivemos como tema o Carisma da nossa Congregação.
 
No primeiro dia cada Entidade se apresentou com sua equipe trazendo vivências, partilhando de forma criativa novidades do que está acontecendo nas obras. Tivemos representantes das seguintes entidades: Obra Social São Vicente de Paulo – Itambacuri/MG, Centro Social São José – Teresópolis/RJ, Projeto Vida Nova de Petrolina, Educandário Dom Silvério – Cataguases/MG, Obra Social São José – Marimbá/Betim, Instituto Onda Gomes – Barbacena/MG, Centro Social Madre Maria das Neves – Saquarema/RJ.
 
No segundo dia a Irmã Liza Helena trabalhou conosco o tema escolhido no último encontro sobre o nosso carisma, ajudando-nos a refletir sobre as características do carisma do Carmelo, do nosso jeito de viver e de como estão sendo trabalhadas nas entidades. À tarde, a Irmã Meiriane nos ajudou a refletir o tema: Assistência Social e as Organizações Confessionais. Esclarecendo como as entidades estão introduzindo e celebrando as festas religiosas. À noite tivemos um momento recreativo com direito a brincadeiras, cantigas de roda e presentes.
 
No terceiro dia estudamos o Estatuto do Instituto Onda Gomes, com a finalidade de preparar uma base comum de atualização do estatuto para todas as Instituições que ainda estão precisando atualizar o seu.
 
Que o Senhor na sua infinita bondade ajude-nos a vivenciar cada vez mais o propósito de Nossa Madre Fundadora e que tenhamos o coração, a mente e os braços para acolhermos o novo que está sempre batendo às portas de nossas Entidades.
 
Ir. Lucenir

Visita Missionária em Moçambique

Visita Missionária a Moçambique

 

Com a missão, à nós confiada pelo Governo Geral, de conhecer a realidade eclesial de Moçambique, nós, Ir. Evanete e Ir. Mellina, chegamos neste país no dia 04 de junho p.p. para uma experiência missionária junto deste povo. No aeroporto de Maputo nos esperavam os frades carmelitas, Frei Lázaro e Frei Raimundo, que nos levaram para a sua comunidade na cidade de Matola, onde encontram-se Dom Frei Paulo Cardoso, Frei Sérgio e demais formandos. No dia seguinte, participamos da Eucaristia Na Paróquia Nossa Senhora Mãe de Deus, onde comemorou-se a festa dos Mártires de Uganda e mais tarde almoçamos na comunidade que tem esses mártires como padroeiros. Com muita festa, dança e alegria, como é próprio dos africanos. Dentre outras iguarias foram servidos dois pratos típicos: xima e cacanha. A xima é o angu feito com farinha de milho branco e a cacanha é uma planta amarga com a qual faz-se um caldo que acompanha a xima.

Durante a nossa estadia em Matola estivemos hospedadas com as Irmãs Dominicanas da Educação da Imaculada Conceição, que têm como missão a promoção das mulheres com curso profissionalizante de corte e costura; a alfabetização de adultos; reforço escolar para crianças e adolescentes; escola pré-primária para 123 crianças; lar para os idosos e centro de saúde e maternidade. No 3º dia de nossa chegada, tivemos uma bela surpresa, pois após o jantar as Irmãs nos presentearam com uma sacola e uma capulana (tecido próprio dos africanos utilizado para várias ocasiões). Este gesto de receber uma capulana tem o significado de realmente ter chegado em terras africanas.

No dia 10 viajamos para Nampula onde ficamos até o dia 05 de julho.  Nesta Arquidiocese encontramo-nos com o arcebispo Dom Tomé Makhweliha, da Congregação dos Dehonianos, a quem esclarecemos o motivo da nossa presença. Lá estivemos hospedadas com as Irmãs Carmelitas do Sagrado Coração de Jesus cuja residência é voltada à formação das postulantes, noviças e junioristas. Atende também algumas jovens universitárias como pensionistas.

Este período foi de idas e vindas durante o qual tivemos a oportunidade de conhecer mais de perto a realidade das Igreja local. Para isto, participamos das celebrações eucarísticas e visitamos várias comunidades dentre elas: a Paróquia Nossa Senhora das Graças na cidade de Murrupula; a Paróquia de Santa Rita, nas várias comunidades da cidade de Caramaja. Visitamos os nossos missionários brasileiros aqui presentes: os Padres Missionários Claretianos, as Irmãs Combonianas, as Irmãs de Jesus Crucificado, Os Padres Scalabrinianos e conhecemos outras congregações missionárias.

A convite de Dom Luiz Fernando Lisboa, brasileiro, Congregação dos Passionistas, Bispo da Diocese de Pemba, em Cabo Delgado, seguimos para lá onde estivemos durante 01 semana e ficamos hospedadas com as Irmãs Pastorelas.

Conhecemos a missão de Nangalolo na cidade de Muidumbe e participamos das visitas pastorais na cidade de Metuge. Aqui também encontramos vários missionários brasileiros: Os Passionistas, as Irmãs Servas da Anunciação, As Pastorelas e outros.  

Testemunhamos a vida difícil e sacrificada do povo de Moçambique com o desafio da escassez de bens materiais e econômicos, a saúde precária e comprometida, uma população com o nível de educação muito reduzido e uma juventude sem perspectiva de futuro. Somente estando presente na realidade local que compreendemos a classificação econômica do país no quadro das Nações.

Ficamos encantadas com a alegria e entusiasmo que vimos em todos os missionários brasileiros aqui presentes, testemunhando grande amor pelo povo e o desejo de contribuir para o crescimento do país. Uma vez que oportuguês é a língua oficial em todo o país, somente as crianças muito pequenas não o conhecem, torna-se mais fácil o contato e diálogo com o povo.

Estamos muito felizes com esta experiência que nos enriquece e ao mesmo tempo interpela e sonhamos com a possibilidade de no futuro plantarmos neste solo africano o carisma de Madre Maria das Neves. 



Rua Caraça, 648 / Serra / Belo Horizonte - MG / CEP: 30220-260
E-mail: secretgeral@carmelitasdiviprov.com.br
Telefone: (31) 3225-4758

Irmãs Carmelitas
Da Divína Providência